Academia Diademense de Letras – Prof. Délio Pereira Lopes

 

Baile de Máscaras 2011 041

VULCÃO

FIM DA ESTRADA…EU  SÓ.                                                                                                                       DESAMARRO MEUS  NÓS                                                                                                            EU, VIDA E LAMA, ENFIM PÓ!

     

                                                                                                                                                            desert for blog

NOITES ENTRELAÇADAS 

                                                                                                                             VEJO O DESERTO DA VIDA QUE FICOU TÃO LONGE,                                                                                                                  INDIGNOS PENSAMENTOS…TORNAM-ME REFÉM                                                                                                                    AGORA SEI: SOU TEU POETA, TEU DIA, TALVEZ TEU MONGE.

imagem de estrela for blog

                                                                                                                                                                           SIT DOWN ON THE STARS   

                                                          

                                                                                                                               THERE ARE SOME WORLDS WAIT TO  GROW                                                                                                                     STAY HERE AND THINK ABOUT THE LIFE OR GO AHEAD,                                                                                                               PROCLAIM  THE TRUTH, SAY IT VERY SLOW.

 

 

TEMPERATURA AMENA

                                                                                                                                                Destemidamente jogo os olhos contra as vidraças                                                                                                                                  Sorrateiramente os reflexos do teu ser invadem-me.                                                                                                                                                        A noite antes minha companheira e conselheira,                                                                                                                        Hoje minha alma corrói…a lama que me espreita, é a única que agora me aceita.

 

Poeminha Pré-Modernista

Euclides dá Cunha ao Monteiro                                                                                                                                        Não há graça nessa Aranha…                                                                                                                                       Nem mesmo o mais Augusto poeta,                                                                                                                                           Entre  os pés de Lima encontrará a querida…rima.  

 

                                             O último escapismo

Resgatando a si mesmo do pó da prateleira, um Drummond grita assustado

  de que a adianta tanta tecnologia, se o sentimento do mundo está parado???

      O relógio surrealista da parede de Berlim imberbe, responde…

         Esquece poeta isso eram coisas do teu tempo, agora que é tudo mesmo imaginação

Com os pés…digito um nome

Camões de que servem os mares bravios…agora que poluídos se alevantam em vão?

  Ora e se esses mares são os caminhos que nos levam a D. Sebastião?

    Sei não, se os deuses não mais por aqui imperam…quem nos trará a solução?

       Talvez o caminho não seja tanta interrogação… se a vida é por nós vivida, deve ter explicação!

A catedral 

Vim aqui pagar promessa…dessas que envolvem mãe, pai irmão,

 Mas se estou tanto brilho de paredes atrapalhando nem entrar eu tento não,

    Já disse de minha promessa, mas se causo inquietação, por ser homem humilde do campo…

       Saibam todos da nação que onde planto nasce o pão, e é dele que Cristo vivia creiam nisto ou não!

O cidadão e a garoa

Confúcio não era da Grécia, mas foi homem dotado de incomparável sapiência…                                                                                                                                                 Não julgava os homens por seus intentos , os tinha em conta pelo valor dos pensamentos.                                                                                                                                          Não se conhece o homem pela cor da alma…nem a alma pela cor do homem,                                                                                                                                                         O verdadeiro homem se extrai do garimpo da vida, alguns valem  muito… outros só brilham

Corredeira de Salto

 O mar dos portugueses

O mar salgado dizia Pessoa é nosso, verseja Camões que só através dele Portugal era negócio

  Mas quem garante isso, digo qual velho do Restelo, invoco os deuses das mais perdidas profundezas…

     Castro Alves que é nosso, poeta da negra beleza, convocava esse ente de águas com tanta agudeza,

        Que fique consagrado e sem muita sutileza, que o mar a nós pertence: esta semana e Copacabana é nossa deusa!

   Vinicius, Vi Caetano e Venci

        

Nossos bosques têm vida…onde canta o sabiá?                                                                                                                                                                  Tanta sustentabilidade sem querer, não encontro eu cá,                                                                                                                                                                 minha terra tem Palmeiras, Corinthians, Santos, Vasco,                                                                                                                                                                      De  que vale tudo isso, se você não está aqui, diria o rei e, se eu fosse Bandeira, dele seria amigo! 

 

Racionais até demais

Se o Iluminismo fosse no Brasil, quem o engendrasse pagaria altas tarifas…

  Albert Einstein seria  multado por excesso de velocidade, ainda que em teoria,

      Freud por atentado ao pudor seria aqui processado, mas não fique estressado…

             Nosso Hino Nacional, ainda por todos os brasileiros, junto com um chiclete…

                É interpretado com o tal jeitinho…causando inveja a qualquer principiantezinho.

Jade & Kotty - Sun Set

Dicotomia

É dizer yes ou dizer no, quase na língua dum Beatle…

    É dizer  coca, com um grito de coco preso à garganta!

        É dizer às vezes – quando se quer na verdade CALAR,

             É urrar, diante do silêncio dalguns, que deveriam conosco comungar!!!!

Enquete

Os Sapos seriam de Bandeira, de Ronald que deu vida a eles aos sete ventos de 22,

  Os Sapos seriam dos outrora  parnasianos – girinos – filhos deserdados!

      Os  Sapos vestiriam chinelos e casacas para um concerto de piano no Maracanã…

         Meu Deus! Qual é o étimo dos Sapos nossos de cada dia???

Pecadinho de criança

Pequei senhora, mas  não por que hei  parodiado,

   A obra de escritor tão merecido, ou até dois…

     E se virdes que podes merecer, nesta mixórdia de versos alguma coisa, se é que ainda restou…

       Roga a Deus que teu roteiro de vida encurtou, que tão cedo não me leve a ver-te,

         …Pois esse era teu plano…visto que a mim…NINGUÉM ANTES CONSULTOU!!!

Prof. Délio em ativid. na bibliot. do SESI 426

Prof. Délio na Biblioteca  Escolar do  SESI 426 – Taboão – Diadema

Prefixo redundante

Ando meio ANTIPÁTICO, confesso…

Talvez até meio ANTIÉTICO, patético,

Detesto ENCONTROS CONSONANTAIS, diriam ANTISSOCIAL, não faz mal

Sou moderno, ou seja, ANTIESTéTICO…notaram?!?

Porém tenho vantagens: ULTRARROMÂNTICO de primeira,

ULTRASSENSÍVEL, extrapolo meus sentimentos, caindo num grande CONTRASSENSO,

PRÉ-Socrático, PRÉ-helênico, ANTI-ibérico, enfim prefácio de minha própria vida!!!

And, Kotty and Me - Etec

    Prof. Délio e família em festa de formatura da Etec Jorge Street em 2015.  

Desmentindo a tecnologia

Foi deletando meu passado que me encontrei,

 Fazendo download das gotas de orvalho, da madruga eterna…

  Sonho com um update de meus mais temidos pensamentos

    Minha vida constante draft do que sempre sonhei…

       Sentado na calçada ouço as vozes dos anjos no call center da vida

          Devolvo a taça onde depositei meu destino, salvando tudo no meu pen drive cerebral.

Esquecido o verso, surge a realidade insana  

Das trombetas angelicais surgem ventos que emudecem as mais exuberantes estátuas,

 Atlas com seus mundo são figuras arqueadas pelo que trazemos à mente dos mundos conscientes…

   Estilhaçados meus olhos são poder dos raios que devoram os céus em busca de vítimas

     Torturado pelo tempo – algoz-mor dos seres que eternamente esperam – sou semente

         Da espada que empunha a lança sinto o empenho de teus olhos serenos

           Mal se fez o dia vem a noite a convidar-me a sonhar… e eu tolo por conveniência…cedo

                Durmo então com os pensamentos dominados… espreito as estrelas que por mim velam.

O mestrado de Drácula   

O sangue jorrando das taças febris como dos versos de Poe

  Almas escravas de Castro Alves encerradas nos navios petroleiros

   Míngua a água, abunda o insumo capitalista, tantos dentistas e poucas bocas ricas…

    Em Marte já não há vida… há dívida… No Sol chama não arde, nem calor, só frialdade

      Augusto dos Anjos ore por nós, escarrando na boca de tua quimera

        A brisa do Brasil já enlaça nossos corpos…rotundos prazeres de Clarice Lispector

           Jeca Tatu empresta tuas chagas para apagar das ruas seres vertidos de tuas queimadas.

             Príncipe das trevas dos teus caninos quero a seiva para aguar as plantas…

               Que o verde encha nossos pulmões… que a cinza dos vulcões sejam nos mares jogadas.

Kotty at Gaivota

Par ou ímpar

Dentro de um homem cabe tanta coisa…

 Não sei se sobra espaço para saudades.

  Num espaço de dois pensamentos parem-se ideias tão distintas,

    São gêmeas minhas impuras impressões da vida.

     E se ainda teimo em levantar-me todos os dias contra a vida,

        É por que sonho em permanecer acordado…que me desminto enquanto ser.

Na dobra de um olhar

Há momentos em que eu desejo tudo de bom aos meus e teus inimigos…

  Devolvo sorrateiramente os mimos recebidos dos céus.

     Na inadimplência de ser feliz do vírus…

       Encontro todos os antídotos para meus e teus pecados.

          Entro bíblia adentro em busca de respostas…as quais já conheço,

             Se faltam vírgulas que garantam meu anonimato febril…

               Sobejam-me pontos de interrogação…para explicar minha própria vida.

À sombra de teus chinelos

Sentir a vida não é um dom, não requer inspiração poética, telecinética…

  Somos às vezes tão medusamente cínicos que ao nosso redor pessoas para nos olhar.

     Quereria não ser tão perfeito quanto um texto de Shakespeare, mas a sombra de um deles,

          Assim convido os lobos da noite a uivarem comigo em uníssono para brindarmos a Lua,

            A rua se deixarmos caminha sozinha e, eu não quero ser um ortônimo de Fernando,

                Quero exercer apenas o que  pelos céus foi determinado: Pessoa.

There’s someone crying inside my dreams

Near my heart lives a desire,

 Walk around the most impossible worlds, take their minutes of truth

     Sell my own promisses do not make me Strong again…

         Side by side my eyes cannot see where my soul stay now,

             Smile and pass still be seeing the best answer to them who thinks life is theirs.

O macho é o que chora mais alto

Cada olhar que corta a noite, de raio nada tem…

  Jogada a toalha a prova de fraqueza revela-se.

    Vertida a lágrima a alma se expõe…

       Descrita a vida não há mais o que devassar.

          Entregue a alma não há mais fé a professar

             Fechada a bíblia, não há mais pecados a confessar…

               Empenhada a palavra…não há mais volta:

                 Profissionalmente mentimos!!!

Salada de poesia fresca

Dos versos brancos e coloridos a cumplicidade exposta de sentidos dúbios,

   No vaso uma rosa de Guimarães cresce, crescente…

     São os ramos de Graciliano que deixam as vidas menos secas

        As realistas prosas de Assis pelo machado são habilmente polidas,

          São os mais lindas cidades baianas que trazem imagens do amado Jorge

             Se é alvo constante dos poetas, celebrai então as estrelas da bandeira de Manuel.

Expulso do jogo da vida

Das cartas na manga que tinha duas eram tuas, quantas saudades

 Espremendo as espinhas de meu passado…desfigurei minha imagem plana

   Clamo por melhores dias, acelerando cada vez mais meu corpo num movimento retilíneo,

     Sou espesso com um raio de Sol perdido de sua manada, mais nada

         Faço-me precipício de mim mesmo para não me atirar em vão

            E no vão sempre deixado pela vida… escondo tudo: o que já sabem.

               Délio nos trilhos

Oitenta e oito vezes só teu

Volta e meia vamos dar, verso que já não me convence mais,

   Sou um pardo aguardando pela abolição dos dias chuvosos…

      Entre um semáforo e outro apago cigarros, pois nunca fumei,

        Vara de advogados unicelulares invade meu tribunal de sonhos,

         Disseram-me sou dissoluto, não leio códigos civis: só genéticos.

           Eterna dúvida consome minha alma turva, na curva…

             Foi deixando crescer as unhas do tempo, que me feri…

              Esquecendo a luz do Sol acesa, queimei meus pergaminhos…

                Hoje perambulo pela noite, perscrutando pelo som do dia.

                  Cirurgião perdi minha veia de encarar a vida, tão sofrida.

                      A cada verso construído, derrubo meus próprios mitos…

                        Segunda-feira tudo passa, acordo cedo monotonia, dia a dia.

Inclusão: dever do estado de espírito 

Bicho-geográfico sou de teu espírito o guia para o mundo terreno, argamassa pura, dura…

   Versos coloridos são mais modernos que brancos, concretismo cheira à obra a caminho.

       Pignatari teu ritmo expressa velocidade própria, metrô de meus sonhos poéticos.

           Salto para dentro dos textos, buscando refúgio do real…tão mal.

             Talvez em Veneza encontre eu lá a paz, pois aqui jaz uma revolta em peito contido.

               Soluços sufocados, confesso a mim mesmo o quanto descendo dos vivos…

                 Um triângulo retângulo sobrevoa minha casa nos Andes, sou mero condor.

                    Concordo com a teoria Darwiniana, só os versos fortes sobrevivem: é pois o FIM!

Water around Kotty 2015

                                                  Trash and reality

Look at back to the last seconds of happy you burryed in the higher clouds,

  Hand in hand your dreams pass to humanity…

     A mercenary thought take my brain and I become statict,

        A far way bell church cry in the morning…

           God teach us the meaning of the life and we don’t learn,

            So, our shadows can’t following us they know we deserve only WAIT FOR THE DAY.

 Sunday I will die 

Any day we die, so what about die in a cloudly Sunday,

  People would not lose nothing if we die in a sad day and we accept our own final travel…

   We must think other people when we solve to let this empty life to other fill in,

     Sorrow is a feeling that nobody wants to let as a true heritage to SOMEONE.

Imperfeições cromáticas

Netuno, fecha as portas dos teus mares, não para os navios…

  Não deixes pois meus soturnos sonhos zarparem,

    Naufrágios serão por certo bem-vindos, antecipando minha vitória inconsciente.

      Freud, analise minhas frases sintática e morfologicamente…não sou mais o mesmo,

        Temo mesmo pelo que não fiz, só pensei. Assim faço um inventário de meus desejos,

          Espanto-me pelo pouco que tenho nesse universo capitalista sem freios, sem receios…

           Marx convide Engels para um chá da tarde na China, pois já é tarde,

             Sejamos polidos com o inevitável, algozes que somos de nós mesmos…

               Brindemos ao fim que se aproxima…assim serenos distribuamos estrelas madrugada AFORA.

Kotty óculos escuros

Destinos descartáveis

Encaro a noite, com franqueza e ansiedade… assim como os morcegos farejo o sangue, seiva da vida,

   Distraída a madruga aproxima-se desfilando seus trajes, meio noite, meio dia, na passarela do tempo.

     Dos diamantes que valorizam a mina, sou apenas um reles garimpeiro,

        Convido as chamas da volúpia das mulheres a dançar comigo…

           Ciganas trôpegas dilaceram minha vontade em dizer NÃO,

            Dum farfalhar constante das folhas da selva, emergem entidades, sem IDADE…

              O triunfo do dia não está nas luzes, guerreiras contras as forças da escuridão,

                Num beijo arrancado das melodias doutros versos sobrevivo…COMENSAL.

Morro Roxo

Arquétipo da pobreza ele esconde as injustiças, revela porém a realidade,

   Crianças soterradas pela miséria disputam palmo a palmo o lixo que emerge do falso luxo.

      A célula-tronco, no morro usada como lenha aquece as fogueiras dos barracos coloridos,

        Gritos e tiros cuspidos noite pela noite, inauguram mais um dia, mais uma noite,

          Tudo igual…o destino à espreita, de quem é a senha da vez para ceder sua ALMA.

             No giroscópio da polícia a denúncia do safari que principia, tiros: a trilha sonora.

               Pipas jogadas nas calçadas, brinquedos de crianças que já nascem velhas na esperteza.

                 Um relógio na mão dum defunto define o assunto da aventura, tudo agora é SEPULTURA.

                    Caminho, viela, rua…a cidade lá em cima é nua e por melhor que seja a reza tua não desce a LUA.

Quiromancia às avessas

 

Meu destino não convence a eternidade, sou como todos, carne e fosso…

   Meus pés presos à argamassa machucam meus calos, gargalos de um dia duro, OBSCURO,

      Macunaíma à tiracolo, recolho por onde passo dezenas de muiraquitãns,

         Atravesso Pasárgada e nem pago pedágio, velho adágio sempre a repetir…

            Chego à Canaã: terra comprometida,

              De Antônio, quero um conselho de como destruir da memória, um Canudos,

                Com os pés copiados do Curupira…estou sem rumo,

                  Por mais que não compreendam sou Maria dos Prazeres eternos…

                     Trago a peixeira presa à bota, à noite sou Lampião, de dia criado de dona SOLIDÃO!

Sun ray Gaivota

 

Embrião sonâmbulo  

Levantou para togar um gole de noite morna,

  Ademais de que serviriam as mariposas senão como reféns da luz do luar.

   Cuspiu na própria alma incandescente, arrancando risos da plateia…

    Embrulhou velho jornal os séculos que já lhe diziam nada,

     Nonsenses disputavam um lugar no discurso do pároco.

      Era cúmplice do entardecer de Itanhaém..

       Fora testemunha monocular de um crime sagrado,

         Os dias se juntavam para convencer o tempo de que a saudade era inocente,

          Sente… o ventre do vento vindo vislumbrar vinte voltas viandante…vai!

Vice-Versa  

Cigano solto a reinvindicar um sonho…

  Soprano, simples, sagaz na língua de Sêneca!

     Quem dera topar com os raios de Sol dum passado tão próximo…

         Fico na fila a espiar o primeiro e o último desengano,

           Soluço ao tragar da taça fria do destino…um presságio.

              Agarro-me aos pés das madrugadas que não vivi,

               Arregalo meus olhos na escuridão e já não me vejo lá…

                Arregaço então, violentamente, as mangas, mãos à obra, adormeço.

Eneida 

O que me incomoda não é o silêncio dos sons,

 É sempre o som que domina os silêncios!!!!

   Musa a noite me entristece e sua irmã a tarde enternece-me…

     Disputo com as alamedas os espaços de minha própria vida,

      A pena de morte me espreita, não se vem da esquerda ou da direita.

        Prova das  gotas do teu sorriso tenso…

          Envelheço a cada passo dentro da vida, este estreito terraço de nada!

A múmia

Destravada a arma do tempo, dispara contra todos…

   As vítimas todas iguais: são comuns de dois três gêneros.

      Escondida a lâmpada maravilhosa, Edison não ascende!

        Dos monges do Tibé uma canção em coro exala…

          Das almas que seguiam em fila, algumas sorriem sem bocas,

           Dalí tão surreal nem aqui enxerga, a Disneylândia é aqui…

            Abriram-se as comportas dos sonhos, afogam-se neles os anjos e

               Finalmente DORMEM!!!

2015-4-17 Kot Papai & Jade Indians

Elementar, meu caro Átomo

No princípio era  o verbo depois o substantivo, o adjetivo: fez-se a Gramática

  Depois da roda o próprio homem: eis aí a maior novidade!

    Alcançada a Lua, por que não a rua, a minha, a nossa a tua…

      Experimentando vírus contra vírus,  segue a humanidade desumana.

       Dentro da cela do hospício Dummond dá asas a que quiser voar…

         A Era digital tudo aceita…homem menos homem igual a homem

           A ótica maior não está na fibra, está na verdura sem agrotóxico!

             Galileu cansou de discutir a órbita, embrenhou-se na DIVINA COMÉDIA.

Dívida passageira

Sinto o pesar de ter escovado os dentes da vida, quando pude…

  De dizer ao vento todos os segredos que trazia sob minhas unhas.

   E se hoje sinto inveja de minha própria sombra, é por que me venci.

    Ao entrar na arena da vida, sou fera, escravo, imperador de meus sonhos,

      Na triagem de meus pensamentos alguns viram poemas apenas temas,

        Agarro-me às minhas próprias verdades e nelas tento mesmo crer,

          Depois constato que as mentiras doem menos e as quero todas pra MIM!!!!

O doador de sonhos

Das ovelhas pastor um dia triste de abriu, fechou os olhos a sonhar,

  Dos lobos algoz, inimigo honrado….Consciência e moral: belo casal!

     Envolto nas penas o galo a cantar o ovo alheio…

        Das casas arrastadas pelo tufão ,a última janela, uma única imagem.

         Do Iceberg que queima por sua brancura, o perigo esconde…

          De tua boca linda esgotado o prazer: resta o veneno das palavras vans.

            Da derradeira herança deixada pelo Cometa, a promessa: TUDO VOLTA!

O papa 

Queria conhecer os labirintos do Vaticano e provar do vinho papal…

    Cálice dourado acondiciona minha essência de vida,

       Na bela nave as imagens me convencem…eu rezo então.

         Nas bolhas de sabão vejo destino, tão claro quanto a neblina.

           Meus poros abertos saúdam a vinda da pororoca e do caldo da vida,

             Com a água até os joelhos…adormeço, esqueço enfim das promessas,

               Entrego-me aos centuriões e eles amordaçam-me os olhos: CALO-ME!

Colmeia 

Um vozerio maldito incômodo traz-me agora,

   Da abelha ferrão medonho, translúcido veneno reservado aos incautos…

      Ninho de néctar grotesco a produzir mel com gosto de sociedade…

        Animal Cenozoico que me corteja com teu zumbido,

          Incitado o inseto, incendeia as veias dos vivos, INDECENTEMENTE!

IMG-20150125-WA0000

Deveras tarde para dizer adeus

Saltei do ônibus da vida em movimento,

 todas as metáforas que trazia no bolso se espalhara pela caçada, de minha vida.

  As verdades acenaram-me do outro lado rua, finjo que não as vejo: minto

    Experimento máscaras e elas não combinam com meu tédio

      Acendo velas para meus santos de plantão: estou sem crédito.

        Olho por cima dos ombros de saudades que não cultivo mais,

          Distante da turba ouço as últimas sílabas do Hino Nacional.

             Aristóteles me impõe as leis do teatro da vida,

               Eu as rejeito de pronto: A VIDA FOI FEITA PARA O IMPROVISO!

Encargo público

Na alameda vejo homens vestidos de jornais do dia,

   As manchetes dos jornais ingleses não aliviam o dia a dia

      Adianto meus passos para chegar de propósito tarde ao meu enterro

          Diante de um gigante destino sou pouco e granulado

             Ostento um DNA que não me pertence,

               Uma vida que emprestei dum Planeta vizinho,

                 Tomo do ar que respira o moribundo,

                    Injeto na veia a vitamina do  inesperado,

                       Leio as estantes todas de Z à A: sou InConStAnTe!!!

Alma de brinquedo

Queria ser como as outras crianças,

 Aquelas que os pais vêm para casa no fim do dia.

   Queria ser também os pais daquelas crianças, para encontrar…

     Brincando a inocência do próprio filho.

        Queria e por que não ser a casa daquelas famílias,

          Testemunha portanto de que o amor existe.

             Ou melhor, queria ser de novo criança,

               Qualquer uma delas, pois criança é mágica,

                  só elas trazem consigo o próprio mundo tal uma tartaruga.

O raio de cristal

Da tempestade noturna lá fora herdei todo o medo que tinha da noite,

 Quase podia ver as árvores caindo, golpeadas pelos raios que riam no céu.

     Um vento estranho faz balançar as cortinas alvas,

       As paredes úmidas da casa parecem que desabaram de há muito por tristeza,

           Queria beber água, mas tenho medo de não voltar…

             Assim como naqueles dias que não se quer dormir com o mesmo pavor.

               Vencido pela sede, desço as escadas, a luz da casa foi-se com os fios,

                 Então, os fios das teias de aranha, são meus guias para evitar os cantos

                   E os cantos são os únicos fios que tenho para chegar aos guias.

Garçom a conta do conto

Há dias em que a confusão impera em meus sentidos,

 Escrevo contos, esperando cantos,

  Escrevo Gonçalves Dias, querendo evocar Gonçalves de Magalhães.

    Distribuo metáforas por metonímias,

      Venero Senhora, quando queria saudar a Escrava Isaura.

         Tão confusos são meus dias às vezes que penso que doze mais um é treze

            Controlo meus pensamentos quase num protesto Zen Budista

              Aperto o botão do elevador onde se lê ACORDE,

                Mas eu que nunca fui músico, fico mais ainda em dúvida,

                  Puxo a coberta para meu lado e descubro a realidade e,

                    Ela, mais esperta do que eu me desperta para um mundo que eu nunca quis!!!

Selib SESI Délio, Maíra Perfil e Josi

Prof. Délio, evento Selibi, do SESI 426 de Diadema – Taboão

Casca da alma

Como divisar os sonhos desgarrados duma noite única,

 Peneirar falsas amizades na busca da fidelidade.

   Tal gladiador entramos na arena com sonhos nas mãos desnudas,

     As feras de Augusto não trazem de volta os Anjos.

      Aliados das segundas-feiras permanecemos à espera da angústias,

       Aposentados da realidade ousamos apenas cultivar os desencantos.

         Num ímpeto de alcançar o topo de nossas próprias promessas,

           Atestamos nosso condição eterna de vítimas do nosso dilacerado futuro.

Enxurrada tensa

Herdeiro natimorto dos avanços tecnológicos: sou filho da NASA,

 A poeira lunar corre em minhas veias, na gravidade pura do que já fui.

   Átomo perdido desconjurado pelo casal de moléculas,

     Na tabela de elementos químicos jaz meu nome em vão.

       Minha memória goteja bits de esperança, na interface das bombas,

         Digito trêmulo meu nome, numa pesquisa estéril.

           Conclamo meus antepassados a reescreverem minha história,

            Resgatando da lama meu brilho cintilante de ouro renegado.

Impostos opostos

Dívidas eternas comungam comigo, as que fiz e as que herdei

 Compro da vida um certificado de esperança,

   Exijo do tempo um atestado de paixão pela vida.

    Rei dos contra-ataques peguei meus sonhos pelos pés,

     Leio a mão da esperança que de súbito atravessa a rua,

      Semáforo aberto corro para abraçar tudo que nunca quis

       Por imposição das tempestades eletromagnéticas, calo-me

        E, só encontro forças para gritar através das bocas de lobo de tuas vielas.

Bobice fundamental

Fui teu eleitor único, quando fiz boca de urna para que ocupasse meu coração

   De boca em boca pintei teu nome, com frases surdas,

      Enganei meu tédio com promessas vans, que só eu conhecia,

        Deixei teu cigarro queimar os dedos de meu passado,

          Tal colibri beijava tua alma, num vaivém sem fim ou começo.

            Despido de minhas vergonhas paguei o teu resgate,

               Hoje sentado no morro, atônito assisto a balas cadentes

                 Definitivamente ressuscitado, confidencio meus segredo ao morro do Pão de Açúcar.

Selib SESI Délio, Christian e João do 2 Médio from 2015

Mordaça eloquente

Instigado pelos conselhos do vento sigo em frente

 Perseguido pelos sonhos que não tive, empreendo fuga pelos olhos teus

  Acariciado por um bombardeio de meteoros…nesse inferno sou Dante!

    Das utopias da velhice trago a alma ainda presa à infância,

      Querubim esquecido pelos céus, sou andarilho em cada crepúsculo

       Foi parodiando o outro que me descobri!

         Foi enganando a mim mesmo que tornei autêntico!

           Foi amparado pela anáfora que conquistei o FINAL DE MAIS UM POEMA!

Vigilância sanitária

Qual gladiadores buscamos a arena da vida todos os dias

  O medo companheiro inseparável às vezes nos consola

   Queríamos a chuva de ácido para corroer nossas lembranças

    Mas e agora? Agora é tarde!

     Avançam aos milhares e não se sabe de onde

       Antes as tropas dos bárbaros…

         Com seus vândalos cavalheiros!

           Os suevos com suas grosserias amenas!

            Os godos com suas espadas que traziam a esperança da morte!

              Mas não eles avançam em forma de nuvem,

               Pequenos na forma, entanto enormes na desgraça

                Impiedosos seres alados a nos fustigar

                 Das picadas surgem as vítimas

                  Do seu alimento nos vem a dor

                   Da sua existência…nosso ledo sofrimento

                      De nosso sangue sua promessa de vida,

                        De sua vida nosso sangue pede distância em promessa.

                           Sem nosso sangue, a vida em promessa nos pede distância!

Financiamento de almas

Quero DESCONTO pela mentiras que disse e as que deixei calar

 Quero todas as emoções boas do mundo transferidas para minha CONTA CORRENTE

   As CÉDULAS do quanto eu sei que valho, as desejo todas em notas de dez…

     Meu CARTÃO DE CRÉDITO com os outro há muito venceu

       INVESTIMENTOS seguros são as intenções pela minha alma…

        Como muitos a minha vida se resume em BOLETOS e TAXAS

          Se me restar ainda tempo de vida, quero um EMPRESTIMO de esperança.

            E, quando meu coração se aposentar para sempre, o que quero JURO que não digo!!!

Semana inesquecível

Segunda e todos fingem que está tudo normal… o trabalho: dos pobres de herança

  Terça todos já no ritmo. Segunda, vencida, mas sempre temida.

    Quarta: meio da caminhada irreversível, da feijoada inevitável.

      Quinta e ninguém se atreve a olhar pelo retrovisor com medo da segunda!

        Sexta e todos combinam que foi uma semana difícil e, por que não comemorar

           Sábado alguns acordam mais tarde, outros ainda não, mas é sábado!

             Domingo: todos digerem a comida família, sem fazer barulho para a segunda não escutar!

As rosas rosas tecnológicas

Vaga-lumes desempregados contemplam as vívidas luzes de LED que cruzam os céus

  As telas de TV vítimas dos regimes constantes emagrecem a cada dia, mas sobrevivem

   Os celulares invadem os canis na busca da fidelidade junto homem

    Os olhos cirurgicamente costurados na tela do computador, disputam o NEO do novo, de novo…

      Tocar, “touch”, tanto faz tudo vira comunicação

        O pulsar dos corações viaja em fibra ótica…

          A cada “bit” uma “baita” inovação!

           Todo minuto com a máquina é prazer…não é mero Futurismo de Marinetti

             É mais, muito mais – é o homem, aquele que inventou a roda e depois a internet!

Tsunami de palavras soltas 

Elas avançam resolutas sobre o cérebro indefeso

 Numa caudalosa estampa cobrem os pensamentos

  Como nos campos das antigas batalhas prepara-se e numa arrancada está sobre todos

   Culpados e inocentes, ninguém é poupado

    As árvores são arrancadas pelas raízes, os prédios pelo calcanhares

     O  homem tão forte: só observa, não resiste tanta força

       A natureza, passa na boca a manga comprida para limpar a saliva pelo inevitável feito,

         O mundo acaricia a terra seca com seu poder, ás vezes suas fúrias

           Não há enfim recurso poético para quando a terra treme, causando tanta dor

              Nem prosopopeia que explique porque o mar expulsa, o homem, seu inquilino

                Dum espaço que nunca sonhou ter por moradia, o qual devolve mal começa novo dia!

Prof Délio Hot color - Copia

Farofa urbana

Das antenas plugadas nas vielas nativivas,

 Aluísio emprestando seu cortiço para que todos curtam

   Alfacebook tudo numa salada neologística do mundo oxidental

      Passa o fio dental nos dentes das máquinas roçadeiras,

         Sonhos importados desfilam em nossa receptiva aldeia

            O maior tabu: aceitar o outro, desvestindo a falsa ética

               A teia do Homem-Aranha incrustrada em nossos neurônios

                  Aflora a fauna no submundo alheio,

                    Nas padarias são vendidos os últimos quilos da agonia

                       Carrasco o nosso tempo desfila com nossas mãos atadas…

                          Moscas espalham gargalhadas, cristalizando sonhos…

                              Cruzando as ruas do tempo o Sol chove dissolvendo sua própria tristeza.

Verbete ingrato

Arremesso minha sombra contra a parede vil

  Ignoro teu nome pichado nos mais altos viadutos

      Assumo minha própria distância, marcando um gol no destino

         Sou o folclore de tua vida contada em versos alexandrinos

            Rima pobre ou rica…permaneço solidário ao meu indecifrável fim

               Monótonas assaltantes arrancam-me de meus mais tristes suspiros

                   Pirâmides de inverdades escondem meus tesouros,

                      Desertos de vontades guiam minh’alma Nilo adentro

                         E, ao despertar soberano…sou cada dia mais escravo de mim mesmo.

Cabelo oxigenado

Alimentado o Cérbero corre em busca do pet shop mais próximo

   No metrô mentes confusas querem sentar-se ao lado de Deus

      Tomates, laranjas, evidências, tudo num só carrinho agora ao caixa

         Na fila, preferência àqueles que não cederam ainda à delinquência…

            Estatutos, leis, artigos constituem o código genético

               Pensões singelas ocultam as noites de sono não dormidas,

                  A angústia de que o elevador chegue, trazendo os andares

                     O mal de Parkinson acalma o terremoto e põe paz no pão.

Acordo azul-marinho

Não quero andar na moda, se ela for tudo o que me incomoda

  Evito andar na rua em que as esquinas cochicham sobre o Universo

    Quero ser destro, se as correntes políticas almejam a esquerda

         Aposto na vanguarda das tendências passadistas…

             Minha semana é sempre de arte moderna, mãe, materna

                Desejo hastear minhas próprias conquista, ao suor das máquinas,

                   Anseio verter toda a água do Tietê, matando a sede minha loucura

                     Clamo pela audácia de rever os versos drummondianos…

                         Fazer da Canção do Exílio, meu hino de presença…

                            Da caatinga extrair o elixir da vida de Lampião

                              Quero, mais que tudo, tripular o ônibus espacial e descer sempre no próximo terminal.

O Nadassauro

Descoberta a essência da vida, de que serviriam as preces

  Enclausurado o sonho, de valeria então a fuga

    Extinta a correnteza, qual a utilidade das cataratas

      Vertidas as lágrimas, qual o propósito do amor

         Oculta a lua, morreriam de tédio os lobisomens

            Cessada a dor, o que fazer com as escovas de dentes

              Inundado o deserto…como consolar as miragens

                Chegado o Nadassauro ao mundo… pra conservar as hipóteses

                     Extirpada a vida na Terra… o que seria da conspiração dos poetas loucos?

Esdrúxulo proparoxítona amarelado

Foi batendo a porta da vida e sem olhar para trás, que conheceu a liberdade

  Pegando o primeiro ônibus que chegou à praça onde todos dormiam

    Regando as flores da esperança que asfaltou a Avenida Paulista

      Tropeçando nas próprias palavras, descobriu os versos decassílabos

        Uivando para a Lua cheia, conquistou a divorciada noite dos zumbis esclarecidos

          Extraindo o dente do ciúmes, fez sangrar a boca túnel

            Encharcando os pés no pântano da esperança, descobriu a desilusão

               Esfregando a lâmpada dos textos, ganhou na loteria…

                 Mas foi só sequestrando a realidade, que recebeu o resgaste da ilusão.

Pastel chinês

Educação, seu moço, é tudo o que cabe nesse papel amassado em meu bolso,

 Prosperidade, Dona, é se a senhora por na cabeça do seu menino o juízo,

   Fé, Vossa Santidade, é se acreditares no que prega e com o que recheia o sermão,

      Progresso, Excelentíssimo Senhor Presidente, é a meta comprida e cumprida!

        Perdão, Senhor Deus, é só o que peço por falhar, espero que não vá se importar!

Prof. Délio, premiação Selib, do SESI 426, Diadema

Prof. Délio na premiação da Semana do Livro e da Biblioteca – Sesi 426

Alice Cooper no mundo das figuras de linguagem

Ofegante corria o tempo atrás da madrugada que já ia distante,                      Então num só golpe de mestre o dia se impõe.

Já não há mais nada a fazer pelos que ainda clamam por justiça,

Moças devassas convidam para uma vida fácil, mas com preço definido.

Homens com etiquetas presas nos dedos dos pés, acabavam de nascer,

Os cabelos presos do vento, denunciavam sua brandura.

Os mastros sinistros à beira do cais, eram convites a uma vida pirata decente.

Deram ao mundo mais meio minuto de vida  MUNDANA.

O último cáiser num shopping esmaga com os olhos as vitrinas,

Lágrimas alegres disputam os olhos dos mendigos que acenam das ESTRELAS CADENTES – mais um dia na vida de Lady Greennalda…

Diadema, Brás, Bexiga e Barra Funda

Quem iria acreditar no menino de barbas, mas de alma imberbe,

Quem iria separar dos bons os meus maus vinis?

Alimento com migalhas meus sonhos mais pueris,

Destilo meus mais doces venenos , nas noites febris.

Alicates roem minhas unhas, querendo denunciar meu nervosismo,

Aceito cartões de crédito do Futurismo, nuca do comunismo…

À beira do abismo bato um bolo de esperança,

Qual criança tola esqueço todo mal, correndo atrás da minha vida que já dobra a curva…e cabe todinha dentro de um caminhão…daqueles simples… você conhece sim…aqueles do Brás, Bexiga e Barra Funda que fazem mudança!!!

Prof. Délio at Sesi Comic Festival

Prof. Délio at Sesi Comic Festival

ANGLICISMOS E OUTRAS AVES RARAS

Não sou Tristão tampouco Isolda,

Sou sim a luz que deflora a penumbra

Consulto os dez Mandamentos dos teus olhos,

Mesmo assim sou arrastado pelos da atmosfera lunar,

Qual Caracol sem residência fixa, sou preso em flagrante por pensar.

Arremesso meus sonhos contra a parede do destino,

Minhas omissões reverberam no vácuo de minhas próprias veias,

Trago num só gole o que me resta de esperança,

Ainda assim, com passos trêmulos, atravesso a grande viela que é a vida!!!

Prof. Délio at Sesi Comic Festival

Prof. Délio at Sesi Comic Festival

ORAÇÃO PELOS VICIADOS AZUIS

Sinto-me emparedado por tuas palavras vis,

Oxítonas vibrantes meus desencantos são,

As promessas que não cumpri, são minhas únicas verdades

Insto por um habeas-corpus que me liberte do tédio,

As estrelas eivadas de frialdade fingem me iluminar o caminho.

Em decúbito dorsal contemplo as nuvens que mancham minhas manhãs.

Minha dívida com o tempo jamais será saldada!

Tartarugas aladas invadem meus sonhos daqui e Dali,

Sou Surrealista, Marxista e, antes de tudo: um taxista espacial.

Prof. Délio – Sesi 426 – Diadema – Feira Cultural e Tecnológica

APRENDIZAGEM OBSESSIVA NO CLÃ DAS OVELHAS ALBINAS

Minhas vontades são paradoxalmente objetivas,

Sou Augusto dos Anjos quando xingo com classe,

Ironicamente sou Machado quando vejo teus olhos de cigana,

Tento ser Hamlet só para merecer a atenção de Shakespeare.

Definindo tudo que sou resta um terço

A ortografia já não me alimenta a minha alma,

Escalo o monte de mentiras que me contas e nunca chego

Estremeço ao sentir o toque do luar em minhas pálpebras estomacais,

Bato meu pé com força e espanto toda tristeza,

Saco repentinamente meus versos e surpreendo minha própria prosa.

Prof. Délio at Ipiranga's Park

Prof. Délio at Ipiranga’s Park

A LITERATURA NUNCA SE ENGANA MAIS DE UMA VEZ

Ergo os olhos em busca de um vocábulo distante,

Estou novamente no encalço das fugitivas palavras raras de Drummond,

Fertilizo a alma de meu texto com sementes lexicais…sentimentais

Pego o destino pelo pescoço e o faço confessar, tudo o que não sabe

D. Pedro nega-se a me tornar independente…

José Bonifácio rejeita minha tutoria de poeta menor,

Camões não me empresta as Tágides para minha devida proteção,

Lavo as escadarias do Senhor do Bom fim, só para terminar bem…

Ao Gilberto Gil prometo andar com fé, nas noites de frio que se arrastam,

Todos sabemos: café não costuma falhar!!! 

Prof. Délio's birthday

Prof. Délio’s birthday

 

THE MICE AND THE SOUNDS

I’d like to say is everything all right,

But my father say to me always to tell everybody the truth,

I’d like to say good times has come,

But God makes me to do better than give untrue hopes…

I’d like to say I believe in all theory about men’s origins,

But fishes, monkeys, fóssil…nothing this give evidences…

That every we need is dreaming into a simple cup of tea as the day fall down

   

Prof. Délio at Sesi Diadema Comic Party

Academia de pessoas imortais, só para nós

Delio's mother - Geni.

Academia de pessoas imortais, só para nós

De repente sinto-me em débito por não escrever sobre alguém que sempre esteve comigo. Essa pessoa foi minha enfermeira, minha psicóloga, conselheira, professora, pai e durante todo esse tempo em minha vida, ela ainda encontrou tempo para ser minha MÃE. Falo aqui dela com todo o orgulho com o qual um filho possa ter de uma mãe, sendo que às vezes podia tê-lo feito com palavras e na sua frente, mas calei-me, talvez por não ter tanta sensibilidade, pois ela nos ensinou a sermos fortes, diante de qualquer situação e, isso entre nós, seus filhos, ainda hoje é lei.

Diferentemente de uma leoa que, ao perceber que o filhote irá fracassar no futuro o abandona, ela senhora do clã, nunca nos virou as costas. Pelo contrário, às vezes “caçava” por ela e também por nós. Perdi meu pai aos dez anos de idade, mas minha mãe jamais deixou que faltasse a presença de alguém na família, nos ensinando que isso acontecia em todas as famílias e que por esse motivo, deveríamos ser mais fortes ainda, assim nossa autonomia nos foi cobrada antes do tempo de outras crianças ou adolescentes. A imagem que sempre levarei dela, será de seu uniforme branco de auxiliar de enfermagem, que nos trouxe sustento por anos, sendo que por muito tempo trabalhou em três empregos, o que nos tornou responsáveis pela casa, enquanto ela estava fora, cuidando da “caça”.

A metamorfose se impôs também a ela. De rosa passou a rocha, mas uma rocha bonita que sempre quando tocada exalava perfume de amor, de carinho, claro que à sua maneira. Ela sabia que não podia demonstrar fraqueza, porque poderia perder o clã. Éramos todos importantes para ela, um em cada medida. Os mais velhos (minha irmã Darcy e irmão Dirceu foram encarregados do poder de polícia e ordem da casa, eu e meu irmão mais novo Zacarias, durante algum tempo ficamos só com o “lazer” e o estudo, quadro que com o passar do tempo também mudaria, pois com a idade caíram as primeiras folhas da responsabilidade.

O que faço aqui não é uma homenagem à minha mãe, pois todas as mães, dentro de seus históricos de vida também deveriam ser lembradas e sem restrição: veneradas. Minha proposta aqui, que também não é falar acerca de mágoas é registrar o quanto sou grato à minha mãe pelo incentivo e apoio que ela sempre me deu (mesmo quando eu quis desistir da faculdade de letras, por entender que eu não superaria os obstáculos que vinham surgindo), ela se impôs e me mostrou que, se cedesse àquela “derrota”, isso aconteceria sempre. Superei-me e graças a ela hoje não tenho medo de enfrentar obstáculos, quero superá-los; se não posso nunca desisto da empreitada. Errei sim, mas em demorar a escrever a relevância dela em minha vida: Mãe (Genira, Pokã e outros apelidos que lhe dei), não importam os nomes, mas fica aqui este espaço virtual e material, dentro do meu coração, que sempre será só seu, inalienável, intransferível, pois mãe, como dizem, a gente só tem uma, embora nesse quesito da vida eu tive mais sorte do que os outros, ou seja, tive MIL e, todas moram dentro de uma única pessoa. Obrigado mãe, “não por existir”, mas por ser tão importante, mesmo que existisse “só para mim!!!”. Linhas sinceras ainda que tardias, dedicadas à GENI PEREIRA DE CAMPOS LOPES ou simplesmente: MINHA MÃE.

Delius images from cell 2011 046

Beijo de seu filho, DÉLIO PEREIRA LOPES!!!

TRISTE FIM DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS

Prof. Délio Pereira Lopes (2004)

prof

A pedra lançada por Afonso Henriques de LIMA BARRETO no lago da literatura brasileira e, por que não dizer da portuguesa, resvala sempre na superfície de um tema a ser visitado e por fim refletido. Autor inserido no Pré-Modernismo brasileiro, Lima Barreto é homem de transcender qualquer período quer temporal, quer de periodização literária. Lúcido em suas “transgressões linguísticas”, “superação de preconceitos”, “inspiração de amor à pátria” (não só à Pátria como Estado e concepções ideológicas, mas principalmente pela Pátria-mãe, enquanto território dotado de um repertório de riquezas indizíveis e jamais descobertas por Cabral e tampouco por nós), “reforma agrária”, tão propalada pela Constituição de 05.10.1988, “valorização da cultura e língua de nossos indígenas”, esta última também retomada como temática, na obra exuberante de Mário de Andrade, “Macunaíma”.

Mas o tupi não tinha admiradores só nó passado. O novo Policarpo é um respeitado professor e pesquisador de Letras Clássicas da Universidade de São Paulo (USP), Eduardo Navarro. Há dois meses, ele fundou a Tupi Aqui, uma organização não-governamental (ONG) que tem por objetivo lutar pela inclusão do idioma como matéria optativa no currículo das escolas paulistas. “Queremos montar vinte cursos de tupi em São Paulo no ano que vem”, disse à SUPER. O primeiro passo já está dado: em maio, Navarro lançou o seu Método Moderno de Tupi Antigo e, em setembro, colocou nas livrarias Poemas – Lírica Portuguesa e Tupi de José de Anchieta (ambos pela Editora Vozes), edição bilíngue de obras do primeiro escritor em língua tupi.

À primeira vista o projeto parece birutice. Só que há precedentes. Em 1994, o Conselho Estadual de Educação do Rio de Janeiro aprovou uma recomendação para que o tupi fosse ensinado no segundo grau. A decisão nunca chegou a ser posta em prática por pura falta de professores. Hoje, só uma universidade brasileira, a USP, ensina a língua, considerada morta, mas ainda não completamente enterrada.

Em sua forma original, o tupi, que até meados do século XVII foi o idioma mais usado no território brasileiro, não existe mais. Mas há uma variante moderna, o nheengatu (fala boa, em tupi), que continua na boca de cerca de 30 000 índios e caboclos no Amazonas. Sem falar da grande influência que teve no desenvolvimento do português e da cultura do Brasil. “Ele vive subterraneamente na fala dos nossos caboclos e no imaginário de autores fundamentais das nossas letras, como Mário de Andrade e José de Alencar”, disse à SUPER Alfredo Bosi, um dos maiores estudiosos da Literatura do país. “É o nosso inconsciente selvagem e primitivo.”

Todo dia, sem perceber, você fala algumas das 10 000 palavras que o tupi nos legou. Do nome de animais, como jacaré e jaguar, a termos cotidianos como cutucão, mingau e pipoca. É o que sobrou da língua do Brasil.

Bia, Victor & Mother

Tradução do diálogo acima:

Índio: “Você conhece a minha língua?”

Bandeirante: “Sim. conheço! Sou um grande falador dela!”

Do Ceará a São Paulo, mudavam só os dialetos

Quando ouvir dizer que o Brasil é um país tupiniquim, não se irrite. Nos primeiros dois séculos após a chegada de Cabral, o que se falava por estas bandas era o tupi mesmo. O idioma dos colonizadores só conseguiu se impor no litoral no século XVII e, no interior, no XVIII. Em São Paulo, até o começo do século passado, era possível escutar alguns caipiras contando casos em língua indígena. No Pará, os caboclos conversavam em nheengatu até os anos 40.

Mesmo assim, o tupi foi quase esquecido pela História do Brasil. Ninguém sabe quantos o falavam durante o período colonial. Era o idioma do povo, enquanto o português ficava para os governantes e para os negócios com a metrópole. “Aos poucos estamos conhecendo sua real extensão”, disse à SUPER Aryon Dall’Igna Rodrigues, da Universidade de Brasília, o maior pesquisador de línguas indígenas do país. Os principais documentos, como as gramáticas e dicionários dos jesuítas, só começaram a ser recuperados a partir de 1930. A própria origem do tupi ainda é um mistério. Calcula-se que tenha nascido há cerca de 2 500 anos, na Amazônia, e se instalado no litoral no ano 200 d.C. “Mas isso ainda é uma hipótese”, avisa o arqueólogo Eduardo Neves, da USP.

Três letras fatais

Quando Cabral desembarcou na Bahia, a língua se estendia por cerca de 4 000 quilômetros de costa, do norte do Ceará a Iguape, ao sul de São Paulo. Só variavam os dialetos. O que predominava era o tupinambá, o jeito de falar do maior entre os cinco grandes grupos tupis (tupinambás, tupiniquins, caetés, potiguaras e tamoios). Daí ter sido usado como sinônimo de tupi. As brechas nesse imenso território idiomático eram os chamados tapuias (escravo, em tupi), pertencentes a outros troncos linguísticos, que guerreavam o tempo todo com os tupis. Ambos costumavam aprisionar os inimigos para devorá-los em rituais antropofágicos. A guerra era uma atividade social constante de todas as tribos indígenas com os vizinhos, até com os da mesma unidade linguística.

Um dos viajantes que escreveram sobre o Brasil, Pero Magalhães Gândavo, atribuiu, delirantemente, a belicosidade dos tupinambás à língua. “Não se acha nela F, nem L, nem R, coisa digna de espanto, pois assim não têm Fé, nem Lei, nem Rei e, desta maneira, vivem sem justiça e desordenadamente”, escreveu em 1570. Para os portugueses, portanto, era preciso converter os selvagens à fé católica, o que só aconteceu quando os primeiros jesuítas chegaram ao Brasil, em 1553. Esses missionários se esmeraram no estudo do tupi e a eles se deve quase tudo o que hoje é conhecido sobre o idioma.

Também, não havia outro jeito. Quando Portugal começou a produzir açúcar em larga escala em São Vicente (SP), em 1532, a língua brasílica, como era chamada, já tinha sido adotada por portugueses que haviam se casado com índias e por seus filhos. “No século XVII, os mestiços de São Paulo só aprendiam o português na escola, com os jesuítas”, diz Aryon Rodrigues. Pela mesma época, no entanto, os faladores de tupi do resto do país estavam sendo dizimados por doenças e guerras. No começo daquele mesmo século, a língua já tinha sido varrida do Rio de Janeiro, de Olinda e de Salvador, as cidades mais importantes da costa. Hoje, os únicos remanescentes dos tupis são 1 500 tupiniquins do Espírito Santo e 4 000 potiguaras da Paraíba. Todos desconhecem a própria língua. Só falam português.

Haja parente!

O tupi e outras línguas de sua família.

 

Imagem de índios tupi-guaranis para o blog

 

 

 

É comum ver políticos do hemisfério norte confundindo o Brasil com a Argentina e o espanhol com o português. Pois a mesma confusão é feita, aqui no Brasil, com as línguas dos índios. Poucos sabem, mas é errado dizer que os índios falavam tupi-guarani. “Tupi-guarani é uma família linguística, não um idioma”, explica o linguista Aryon Rodrigues. Ele a compara à família neolatina, à qual pertencem o português, o espanhol e o francês. Os três têm uma origem comum, o latim, mas diferem uns dos outros. O extinto tupi antigo, o ainda usadíssimo guarani moderno – falado por quase

5 milhões de pessoas no Paraguai e 30 000 no Brasil – e outros 28 idiomas derivam de uma mesma fala, o proto-tupi. Os guaranis e os tupis até que se entendiam. Mas, dentro da família, eles são apenas parentes próximos, não irmãos. Para perguntar “qual é o seu nome”, um guarani diria Mba’eicha nde r’era?, e um tupiniquim, Mamõ-pe nde r’era?. Não dá para confundir, dá?

O primeiro gramático

Joseph de Anxieta, mais tarde José de Anchieta (1534-1595), sempre foi poliglota. Nascido nas Ilhas Canárias, era filho de pai basco e aprendeu, ao mesmo tempo, o castelhano e o complicado idioma paterno. Adolescente, mudou-se para Portugal, onde estudou o português, o latim e o grego.

Por tudo isso, não é de espantar que Anchieta tenha aprendido o tupi tão depressa. Seus companheiros diziam que ele tinha facilidade porque a língua era igualzinha ao basco que assimilara quando pequeno. Bobagem. Tão logo pôs os pés no Brasil, em 1553, aos 19 anos, começou a desenvolver a primeira gramática da língua da terra. Em 1560, sua Arte de Grammatica da Lingoa Mais Vsada na Costa do Brasil já era um best-seller entre os jesuítas. O livro, que só seria impresso em 1595, virou leitura de cabeceira dos jovens padres encarregados da catequese. Com ele, nascia o tupi escrito, que Anchieta usou para compor mais de oitenta poemas sacros e peças de teatro, inaugurando a literatura brasileira.

O português foi imposto por decreto

Há 300 anos, morar na vila de São Paulo de Piratininga (peixe seco, em tupi) era quase sinônimo de falar língua de índio. Em cada cinco habitantes da cidade, só dois conheciam o português. Por isso, em 1698, o governador da província, Artur de Sá e Meneses, implorou a Portugal que só mandasse padres que soubessem “a língua geral dos índios”, pois “aquela gente não se explica em outro idioma”.

Derivado do dialeto de São Vicente, o tupi de São Paulo se desenvolveu e se espalhou no século XVII, graças ao isolamento geográfico da cidade e à atividade pouco cristã dos mamelucos paulistas: as bandeiras, expedições ao sertão em busca de escravos índios. Muitos bandeirantes nem sequer falavam o português ou se expressavam mal. Domingos Jorge Velho, o paulista que destruiu o Quilombo de Palmares em 1694, foi descrito pelo bispo de Pernambuco como “um bárbaro que nem falar sabe”. Em suas andanças, essa gente batizou lugares como Avanhandava (lugar onde o índio corre), Pindamonhangaba (lugar de fazer anzol) e Itu (cachoeira). E acabou inventando uma nova língua.

“Os escravos dos bandeirantes vinham de mais de 100 tribos diferentes”, conta o historiador e antropólogo John Monteiro, da Universidade Estadual de Campinas. “Isso mudou o tupi paulista, que, além da influência do português, ainda recebia palavras de outros idiomas.” O resultado da mistura ficou conhecido como língua geral do sul, uma espécie de tupi facilitado.

No Maranhão e no Pará também surgiu uma língua geral, o nheengatu, cruzamento do dialeto tupinambá com idiomas indígenas da Amazônia. O nheengatu imperou em Belém e São Luís até os idos de 1750 e chegou a ser ensinado pelos jesuítas, junto com o português. Foi adotado até por índios de línguas dos troncos jê, aruak e karib, que acabaram esquecendo seu modo de expressão original.

Coisa do diabo

Irritado com o uso generalizado das línguas nativas, o Marquês de Pombal (1699-1782), que então governava Portugal e suas colônias, resolveu impor o português na marra, por decreto, em 1758. Num documento maluco, o Alvará do Diretório dos Índios, proibiu o uso de todas as línguas indígenas e o ensino do nheengatu, “invenção diabólica” dos jesuítas. No ano seguinte, vilas de toda a Amazônia foram rebatizadas com topônimos portugueses. Surgiram, assim, Santarém e Óbidos no Pará, Barcelos e Moura no Amazonas.

A briga culminaria com a expulsão dos jesuítas, em 1759. “Mas a língua geral não sumiu de imediato”, observa o etno-historiador José de Ribamar Bessa Freire, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. “O português só veio se firmar no final do século passado, quando os nordestinos migraram em massa para a Amazônia, atrás da borracha.” Hoje, o uso daquela língua geral se restringe à região do alto Rio Negro e a um pedaço da Venezuela.

Como os índios, o tupi chegou ao final do século XX. Modificado, reduzido, mas ainda respirando. Da próxima vez que alguém chamar o Brasil de tupiniquim na sua frente, orgulhe-se. O país deve muito aos tupis. E até fala um pouquinho da língua deles.

Oui, francês fala tupi

Além de influenciar o português brasileiro, o tupi transbordou para outras línguas. Os índios bororos, do Mato Grosso, até hoje chamam anta de tapira e tesoura de piraia (piranha), palavras de origem tupi introduzidas pelos bandeirantes. Mas a língua também chegou à Europa. Os franceses, que ocuparam o Rio de Janeiro por vinte anos (de 1555 a 1575), carregaram um monte de palavras nativas. Foram tantas que um padre francês, Constantin Tastevin, elaborou no século XVI um dicionário dos tupinismos franceses. Veja alguns dos que ainda sobrevivem:

 

acajou (caju) – de acaîú

ananas (abacaxi) – de na’na

boucan (carne defumada) – de moka’em

jaguar (onça) – de jagûara

manioc (mandioca) – de mandi’oka

petun (tabaco) – petyma

tapir (anta) – tapi’ira

Para saber mais

Línguas Brasileiras – Para o Conhecimento das Línguas Indígenas, de Aryon Dall’Igna Rodrigues. Edições Loyola, São Paulo, 1994.

 

Negros da Terra – Índios e Bandeirantes nas Origens de São Paulo, de John Manuel Monteiro. Companhia das Letras, São Paulo, 1994.

O começo do fim

Ascensão e queda de um idioma.

 

Século XVI

O tupi, principalmente o dialeto tupinambá, que ficou conhecido como tupi antigo, é falado da foz do Amazonas até Iguape, em São Paulo. Em vermelho, você vê os grupos tapuias, como os goitacás do Rio de Janeiro, os aimorés da Bahia e os tremembés do Ceará, que viviam em guerra com os tupis. De Cananéia à Lagoa dos Patos fala-se o guarani.

 

Séculos XVII/XVIII

O extermínio dos tupinambás, a partir de 1550, a imigração portuguesa maciça e a introdução de escravos africanos praticamente varre o tupi da costa entre Pernambuco e Rio de Janeiro. Em São Paulo e no Pará, no entanto, ele permanece como língua geral e se espalha pelo interior, levado por bandeirantes e jesuítas.

 

Século XX

O português se consolida a partir da metade do século XVIII. O tupi antigo desaparece completamente, junto com outras línguas indígenas (das 340 faladas em 1500, sobrevivem, hoje, apenas 170). A língua geral da Amazônia, o nheengatu, continua sendo falada no alto Rio Negro e na Venezuela por cerca de 30 000 pessoas.

O mundo em palavras

Uma língua que só expressa o concreto.

 

Em tupi, todos os verbos no infinitivo são substantivos.

Assim, nhe’enga é “a fala”, e não “falar”. O verbo só vai existir se estiver ligado a uma pessoa. Como em ere-nhe’eng, ou “tu falas”.

A realidade ajuda a criar conceitos abstratos.

“Silêncio”, por exemplo, é kirir˜i, inspirado no cri-cri dos insetos na mata, à noite.

Elementos da natureza nunca são ligados à idéia de posse.

Você diz xe py (meu pé) ou xe u’uba (minha flecha), mas nunca faz o mesmo para elementos da natureza. Em tupi, não se diz nde ybyrá (tua árvore), mas somente ybyrá (árvore).

Não existe tempo verbal. Todos os verbos estão no passado.

Para dizer “eu saio” e “eu saí” a expressão é a mesma: a-sem.

O dia de hoje não é um período de tempo, mas um lugar iluminado pelo sol.

 

“GUERA – PUERA – QUERA”

O tupi tem recursos incríveis para o pensamento e cabe aqui lembrar Caetano Veloso, precisamente na canção “Língua”, ironizando aquele exagero de Heidegger: ‘Se você tem uma ideia incrível é melhor fazer uma canção; está provado que só possível filosofar em alemão. Na singeleza e tranpareência do tupi, encontram-se peculiaridades filosóficas de fazer inveja às línguas europeias: é o caso da composição com o sufixo –GUERA.

 

PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS

Conceitos básicos: 

Observe as seguintes palavras:
escol-a
escol-ar
escol-arização
escol-arizar
sub-escol-arização
Observando-as, percebemos que há um elemento comum a todas elas: a forma escol-. Além disso, em todas há elementos destacáveis, responsáveis por algum detalhe de significação. Compare, por exemplo, escola e escolar: partindo de escola, formou-se escolar pelo acréscimo do elemento destacável -ar.

Por meio desse trabalho de comparação entre as diversas palavras que selecionamos, podemos depreender a existência de diferentes elementos formadores. Cada um desses elementos formadores é uma unidade mínima de significação, um elemento significativo indecomponível, a que damos o nome de morfema.

Classificação dos morfemas:

Radical

Há um morfema comum a todas as palavras que estamos analisando: escol-. É esse morfema comum – o radical – que faz com que as consideremos palavras de uma mesma família de significação – os cognatos. O radical é a parte da palavra responsável por sua significação principal.

Afixos

Como vimos, o acréscimo do morfema –ar cria uma nova palavra a partir de escola. De maneira semelhante, o acréscimo dos morfemas sub– e –arização à forma escol– criou subescolarização. Esses morfemas recebem o nome de afixos.
Quando são colocados antes do radical, como acontece com sub-, os afixos recebem o nome deprefixos. Quando, como –arização, surgem depois do radical os afixos são chamados de sufixos. Prefixos e sufixos, além de operar mudança de classe gramatical, são capazes de introduzir modificações de significado no radical a que são acrescentados.

Desinências

Quando se conjuga o verbo amar, obtêm-se formas como amava, amavas, amava, amávamos, amáveis, amavam. Essas modificações ocorrem à medida que o verbo vai sendo flexionado em número (singular e plural) e pessoa (primeira, segunda ou terceira). Também ocorrem se modificarmos o tempo e o modo do verbo (amava, amara, amasse, por exemplo).

Podemos concluir, assim, que existem morfemas que indicam as flexões das palavras. Esses morfemas sempre surgem no fim das palavras variáveis e recebem o nome de desinências. Há desinências nominais e desinências verbais.

  • Desinências nominais: indicam o gênero e o número dos nomes. Para a indicação de gênero, o português costuma opor as desinências –o/-a:
    garoto/garota; menino/menina

Para a indicação de número, costuma-se utilizar o morfema –s, que indica o plural em oposição à ausência de morfema, que indica o singular: garoto/garotos; garota/garotas; menino/meninos; menina/meninas.
No caso dos nomes terminados em –r e –z, a desinência de plural assume a forma -es: mar/mares; revólver/revólveres; cruz/cruzes.

• Desinências verbais: em nossa língua, as desinências verbais pertencem a dois tipos distintos. Há aqueles que indicam o modo e o tempo (desinências modo-temporais) e aquelas que indicam o número e a pessoa dos verbos (desinência número-pessoais):

cant-á-va-mos cant-á-sse-is
cant: radical cant:radical
-á-: vogal temática á-: vogal temática
-va-:desinência modo-temporal (caracteriza o pretérito imperfeito do indicativo) sse-:desinência modo-temporal (caracteriza o pretérito imperfeito do subjuntivo)
-mos:desinência número-pessoal (caracteriza a primeira pessoa do plural) -is: desinência número-pessoal (caracteriza a segunda pessoa do plural)

 

Vogal temática

Observe que, entre o radical cant- e as desinências verbais, surge sempre o morfema –a.
Esse morfema, que liga o radical às desinências, é chamado de vogal temática. Sua função é ligar-se ao radical, constituindo o chamado tema. É ao tema (radical + vogal temática) que se acrescentam as desinências. Tanto os verbos como os nomes apresentam vogais temáticas.

• Vogais temáticas nominais: São -a, -e, e -o, quando átonas finais, como em mesa, artista, busca, perda, escola, triste, base, combate. Nesses casos, não poderíamos pensar que essas terminações são desinências indicadoras de gênero, pois a mesa, escola, por exemplo, não sofrem esse tipo de flexão. É a essas vogais temáticas que se liga a desinência indicadora de plural: mesa-s, escola-s, perda-s. Os nomes terminados em vogais tônicas (sofá, café, cipó, caqui, por exemplo) não apresentam vogal temática.

• Vogais temáticas verbais: São -a, -e e -i, que caracterizam três grupos de verbos a que se dá o nome de conjugações. Assim, os verbos cuja vogal temática é -a pertencem à primeira conjugação; aqueles cuja vogal temática é -e pertencem à segunda conjugação e os que têm vogal temática -i pertencem à terceira conjugação.

primeira conjugação segunda conjugação terceira conjugação
govern-a-va estabelec-e-sse defin-i-ra
atac-a-va cr-e-ra imped-i-sse
realiz-a-sse mex-e-rá ag-i-mos

 

Vogal ou consoante de ligação 

As vogais ou consoantes de ligação são morfemas que surgem por motivos eufônicos, ou seja, para facilitar ou mesmo possibilitar a leitura de uma determinada palavra. Temos um exemplo de vogal de ligação na palavra escolaridade: o -i- entre os sufixos -ar– e -dade facilita a emissão vocal da palavra. Outros exemplos: gasômetro, alvinegro, tecnocracia, paulada, cafeteira, chaleira, tricota.

Por Marina Cabral
Especialista em Língua Portuguesa e Literatura
Equipe Brasil Escola

Artigos de “Estrutura e Formação de Palavras “

Ter conhecimento das características que diferenciam os morfemas é condição essencial para compreender o processo de formação de palavras. Atente-se para esse fato aqui!

Definição e tipos de composição.

Representa uma das modalidades inerentes ao processo de formação de palavras. Conheça-a.

Análise da estrutura das palavras e seus processos de formação.

Descubra sobre a origem de determinadas palavras em um clique!

Relações de parentesco entre as palavras: Clique e saiba mais sobre as palavras cognatas!

O uso ou não do hífen no prefixo “pré” se encontra relacionado a pressupostos específicos. Torne-se então um (a) conhecedor (a) desse caso ao clicar aqui!

Derivação parassintética? Regressiva? Imprópria? Não sabe o que é? Clique aqui e descubra!

Radicais e Prefixos gregos, lista com os principais radicais e prefixos gregos, sentido dos radicais e prefixos, exemplos de palavras utilizando radicais e prefixos gregos.

Confira a lista dos principais radicais e prefixos latinos encontrados na Língua Portuguesa.

D├®lio 2008  Serra e J

Composição consiste em produzir palavras compostas a partir de palavras simples. Palavras simples são aquelas em que existe um único radical como amor e perfeito. Para produzir a composição de uma palavra composta, é necessário estabelecer vínculos permanentes sobre essas palavras para que nelas haja um novo significado. Ex. amor-perfeito que é o nome de uma flor, diferentemente do significado das palavras amor perfeito que significa um sentimento amoroso.

A composição pode ser feita através de radicais que não tem vida independente na língua. São palavras que recebem o nome de compostos eruditos por serem formadas por radicais gregos e latinos.

•Tipos de Composição

1. Composição por Justaposição: Consiste em formar composto que ficam lado a lado, ou seja, justapostos. Ex.

Amor-perfeito Girassol Passatempo Guarda-roupa

2. Composição por Aglutinação: Consiste em formar composto de forma que uma das palavras perca sua integridade sonora. Ex.

Aguardente (água + ardente)
Vinagre (vinho + acre)
Planalto (plano + alto)

O princípio para compor palavras vem do aproveitamento das relações sintáticas para ampliação do vocabulário. A composição tem grande aproveitamento de palavras na linguagem coloquial, jornalística e literária.

Por Gabriela Cabral (Equipe Brasil Escola)

 

COMPOSIÇÃO COM SUFIXOS DA LÍNGUA TUPI

Ao ajuntar, a um vocábulo “X”, a terminação –GUERA (-QERA ou PUERA, de acordo com a [1] eufonia), obtemos uma curiosa alteração [2] semântica: X-gera é o que foi “X”, não é mais (ao menos, em sentido próprio e rigoroso), mas preserva algo daquele “X” que um dia foi. Assim, “anhangá” é diabo, espírito com poderes; já “anhaguera” é alguém que sem ser (mais) diabo, preserva algo do poder que um dia teve em plenitude. “Ibirapuera” é o que restadaquilo que um dia foi mata (Ibirá); “Itaquera”, o mesmo para pedreira (ITA é pedra); e “PIAÇAGUERA” (é porto em ruínas), que quase não se usa mais.

CUTUCAGUERA (cicatriz), por exemplo, faz lembrar, imediatamente, que aquele sinal no corpo é o que ficou como resíduo de uma espetada (“cutuc” é ferir com ponta); CAPUERA, roça abandonada; TAPUERA (TABA-PUERA), os escombros que lembram que aquilo um dia foi “taba”.

[1] Eufonia: eufonia 
eu.fo.ni.a
sf (eu2+fono+ia11 Efeito acústico agradável, que resulta da combinação dos sons em uma palavra ou da união das palavras na frase. 2 Mús Som agradável de uma só voz ou de um só instrumento. 3 Ornit Antigo gênero (Euphonia) de pássaros da família dos Traupídeos, cujas espécies, atualmente, pertencem ao gênero TanagraAntôn (acepções 1 e 2): cacofonia.

Dicionário Online – Dicionários Michaelis – UOL

 

[2]Semântica:

O que é Semântica?

Segundo o dicionário Aurélio: “Semântica é o estudo das mudanças ou translações sofridas, no tempo e no espaço, pela significação das palavras.”

Bem rápido responda o que é “Manga”

Errou ! Acertou !

Pois é, a palavra “manga” tem um duplo significado, pode ser uma fruta ou a parte de uma camisa. Esta é uma palavra que causa duplo entendimento.

Na frase: “Marcelo é um cara de pau”, poderíamos entender que Marcelo é um cínico ou é muito extrovertido.

Veja:

Manuela tem 2 anos

Marcelo tem 6 anos

Maria tem 7 anos

Se afirmo: Maria é mais velha que Marcelo

Marcelo é mais velho que Manuela

Conclui-se que Maria é mais velha que Manuela, se as idades permanecerem as mesmas. Caso altere-se as idades ocorrerá um erro semântico, pois o entendimento da afirmação está errada.

Portanto, semântica estuda o significado das palavras ou frases.

Texto (adaptado do título original: O QUE CONTINUA, SE NÃO É MAIS?):

Revista LÍNGUA PORTUGUESA – Ano 5 – número 68 – junho de 2011, página 26 (com a totalidade dos créditos para JEAN LAUAND – professor titular da Faculdade de Educação da USP) – FNDE – PNBE periódicos 2011

 

 

DSC02244 Prof. Délio Format. Sesi 2013

 

 

Sometimes we feel like everybody does but sometimes this is not true

Have you already thought about your entire life and suddenly you saw that you walk, walk, walk and everything you did never change the way would want. Then, you change your mind and observe that only you following a way and  the others different ones. It appears natural for you, but if we live in global society why people in general stay so far not only in their plans, but mainly in their aims in order to transform our world in a peace place where everybody would be well in any part of this large Planet.

Our world must be protected by us

Our world must be protected by us because we are the ones it was made for!!!

Ecos do Modernismo Português – Prof. Délio from Diadema – SP

Ecos do Modernismo Português

 

Image

 

Falar em Modernismo no Brasil, sem buscar o referencial de nossos irmãos lusitanos seria sandice, sendo certo que são contextos diferentes, mas ambos são partidários das mesmas ambições estéticas, ideológicas e libertárias. (Prof.Délio pereira Lopes)

Advertência: este conteúdo não tem objetivos de esgotamento do assunto, merecendo do pesquisador um olhar que vá além, do interessado em resvalar nesse conteúdo um subsídio e dos alunos elementos que lhes municiem os estudos e apontem caminhos nessa seara do conhecimento literário.

Tendo por referência o ano de 1915, emerge o Modernismo português, tendo por cordão umbilical a Revista Orpheu, no contexto das influências das de Vanguardas, que começavam a se consolidar-se na Europa, e como reflexos do pensamento do homem que sobrevinha da Primeira Guerra Mundial, iniciada em 1914.

A Geração Orpheu (1915 a 1927)

O primeiro Modernismo português, o Orfismo, está associado à instabilidade social da Primeira república. Em 1908, com o assassinato do rei D. Carlos, o trono português é ocupado por D. Manuel II. O descontentamento com a monarquia favorece a instalação da República, em 4 de outubro de 1910, quando Teófilo Braga assume a chefia do governo provisório.

A política colonialista na África, a participação na Primeira Grande Guerra mundial, as greves contínuas e a atuação dos comunistas e anarcossindicalistas acabaram provocando a intervenção militar de 1926. Dessa forma, como resposta autoritária, apoiando-se na necessidade de medidas de forte controle econômico e de uma suposta contenção da ordem pública, os militares (apoiados pelo alto capital financeiro) lançaram no mundo político português, o professor de finanças da Universidade de Coimbra, Antonio de Oliveira Salazar, que assumiu, gradativamente o poder dentro do regime ditatorial, controlando já em 1932, todos os mecanismos e esferas governamentais daquele Estado. Em 1933, Salazar faz aprovar uma nova constituição, fundando o Estado-Novo (1933-1974), que alinhou o país numa perspectiva ideológica semelhante às da Itália fascista, da Alemanha nazista e da Espanha franquista.

 

 

 

 Image

 

Tanto Mar de Chico Buarque

Sei que está em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim
Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor no teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, que é preciso, pá
Navegar, navegar
Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
Ainda guardo renitente
Um velho cravo para mim
Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto de jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, quanto é preciso, pá
Navegar, navegar
Canta primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim

 

 

“Tanto Mar” foi composta na década de 70, tendo como inspiração a revolução popular conhecida como Revolução dos Cravos, em Portugal, que derrubou o ditador Antônio de Oliveira Salazar.
O movimento foi assim batizado porque durante uma patrulha, um soldado simpatizante ao levante pediu um cravo a uma florista e enfiou-o na ponta de sua espingarda. O gesto foi imitado por todos os outros soldados, e virou uma marca de identificação dos revolucionários.
A música tem duas versões. A primeira foi composta quando a revolução ainda estava em evidência (por volta de 1974), mas foi censurada pelo governo Médici.
A segunda foi composta por volta de 1979, quando o movimento já havia sido suprimido (em 1975 um golpe militar pôs fim àquilo que foi batizado de PREC – Processo Revolucionário Em Curso).
Chico mudou os tempos da letra (“Está” para “foi”, “Fico” para “Fiquei”), e conseguiu gravá-la.
A letra basicamente fala de um eu-lírico português, enviando uma carta daqui do Brasil para alguém, lá em Portugal.
Intencionalmente Chico usou para a melodia o fado, que é a música mais representativa de Portugal. Além de carregar no modo de falar dos portugueses. O “pá” do final das frases é usado em Portugal como uma corruptela de “rapaz”, da mesma forma que aqui usamos “cara”, “mano”, etc.
Chico também faz questão de abusar de verbos e pronomes com a 2ª pessoa do singular (tu), como fazem os portugueses.
Na análise da letra, fica claro que a “festa” a qual Chico se refere nada mais é do que a própria Revolução dos Cravos e na primeira estrofe percebemos a diferença das versões: da primeira, no auge da revolução, quando ele se mostra exultante pelo trunfo do movimento e até meio decepcionado por não poder fazer parte daquela farra. Já na segunda versão fica evidente uma espécie de resignação pelo fim da revolução, a despeito dos frutos que a mesma deixou.
Chico também faz questão de homenagear o grande poeta português Fernando Pessoa e seu famoso verso “Navegar é preciso; viver não é preciso”, quando lembra o enorme oceano que separa os dois países.
Na última estrofe Chico lembra que enquanto em Portugal o povo “canta a primavera”, aqui no Brasil ele estava “carente” de liberdade, daí desejar sentir um pouquinho de cheiro de Alecrim, planta típica portuguesa de cheiro ativo e agradável.
Em resumo, Chico deixa claro que mesmo que as armas tenham terminado com aquela “festa” o espírito revolucionário vai sempre permanecer vivo.

(Por Sérgio Soeiro)

Image

A revista Orpheu e a implantação do Modernismo português

As correntes literárias modernistas configuraram uma tendência citadina (lisboeta), sob influência da classe média. Tinham, com sua irreverência, o propósito de escandalizar o burguês, colocando-se como o provincianismo e a literatura estereotipada da tradição neossimbolista e neorromântica de Portugal.

 

 

 

Neossimbolismo

A utilização do Neossimbolismo é complexa, pois que pressupõe a criação de um “novo” Simbolismo, não somente a continuidade do movimento com as naturais mudanças que o tempo impõe. Mas a sua existência é evidente – e, assim como o Pós-Simbolismo, não está atrelada a um grupo formado, com ideários, antífonas, mas, sobretudo, com características comuns entre os autores, que não aparecem ao léu do acaso. Não restringido a poesia aos padrões da forma pós-parnasiana e deixando-se influenciar muito mais, por exemplo, pelo Mallarmé do “Lance de Dados” do que do “Prelúdio para uma Tarde de um Fauno”, evidenciando a abertura para novas formas de poesia, o Neo-Simbolismo, muitas vezes, é misturado à toa entre as outras poesias contemporâneas exatamente porque nunca foi definido de maneira clara. Esse “Novo-Simbolismo”, de muitas maneiras, é um retorno a várias temáticas do Decadentismo, entre as quais o Esoterismo, Satanismo, não raramente um Egotismo, e ao conflito entre o ser, natureza e o crescente, impessoal meio urbano. Se no Decadentismo francês havia o clima de fin-de-siècle, há agora uma constante sensação de finitude e brevidade de todas as coisas. Se naqueles autores franceses havia o culto do que não é natural, hoje, em derredor urbano, há a percepção inevitável – positiva ou não – de que nos cinge a inaturalíssima criação. Em termos formais, a única constância é a música, sempre assonante, de um Schoenberg que desaguasse curiosamente para a poesia (ele, que baseou o seu Dodecafonismo na poética do Simbolista alemão Stefan George). Não raramente têm esses poetas uma grande capacidade de construção pictórica, beirando a livre-ligação das imagens por meio da supra-consciência vinda de um Rimbaud ou, posteriormente, dos Surrealistas. Mas por que concluir que há um Neo-Simbolismo e não um Neo-Decadentismo? Porque esses poetas têm em seu idealismo a doce subjetividade alegórica do símbolo.

Image
Não é surpreendente que surjam entre nós vários poetas com essa estética Neossimbolista: vivemos em uma época em que, por meio da tecnologia audiovisual, símbolos de todas as origens, fadados à efemeridade comum ao Capitalismo, são lançados impetuosamente contra os seres, sem a devida e necessária apreciação. A palavra simbologia vulgarizou-se numa das espécimes vocabulares mais comuns ao cidadão contemporâneo. O poeta, instigado em meio a tantos símbolos, muitos dos quais são mais renováveis do que o próprio dia, tem a possibilidade do exercício da Semiótica e da sua aplicação na Arte Poética, nas suas várias formas e possibilidades, tomando normalmente a sua alegoria simbólica o caminho da metafísica e de uma fina percepção do tempo.

 Image

Neogarrettismo e Neorromantismo

Correntes cujas designações derivam, na última década de oitocentos, da exaltação do papel dos românticos, especialmente Garrett na defesa do nacionalismo, na recuperação da literatura popular enquanto fonte genuína da cultura portuguesa, no estudo da História de Portugal, etc. Nesta medida, o Neogarrettismo é “o correlato de um sentimento de orfandade e de perda de identidade, que naturalmente se agudiza na sequência do Ultimatum” e que encontra uma filiação purificadora na “construção do mito de Garrett: um Garrett que se volve figura totémica e guardião da matriz de todo o sentido; um Garrett prometeico que recolhe e reacende a tradição cultural de um povo e acorda o volksgeist adormecido; um Garrett demiurgo que da treva faz brotar o teatro, o romance, a poesia e que, através desse conjunto de atos performativos, assim refunda a identidade nacional”, renascendo num outro tempo histórico e no “plano intemporal que é o do mito” (cf. SANTOS, Américo – “Do Neogarrettismo e das Viagens ao Portugal”, in Atas do Colóquio De Garrett ao Neogarrettismo, Maia, 1999). Ligado à atitude cultural e literária da geração de 90 e a nomes como António Nobre, Guerra Junqueiro, Afonso Lopes Vieira ou Manuel da Silva Gaio, e apresentado programaticamente por Alberto de Oliveira em Palavras Loucas, o neogarrettismo impunha-se como objetivo, numa definição de Eça de Queirós (carta a Oliveira Martins), “reaportuguesar Portugal”, no que essa tarefa implicava de abandono de modelos culturais estrangeiros, de defesa do que é nacional, de recolha da literatura oral de tradição popular, de recuperação do drama e romance histórico, de retorno ao rusticismo e à vernaculidade. Interseccionando-se com o Decadentismo, na criação literária, o Neogarrettismo, com o seu projeto de conhecimento do passado e de salvaguarda do património cultural nacional, deu um impulso fundamental para o desenvolvimento dos estudos etnológicos, antropológicos, arqueológicos, historiográficos, de história da língua e de história literária, domínios em que se destaca a ação de Leite de Vasconcelos, Martins Sarmento, Abade de Baçal, Alberto Sampaio, Adolfo Coelho, Sousa Viterbo ou Consiglieri Pedroso.

(Manuel da Silva Gaio)

 

 Image

A Vanguarda Portuguesa

A revolução cultural que pretendiam os intelectuais da época sob inspiração das Vanguardas Europeias, ficou limitada ao segmento dos pensadores, passando, no entanto, desapercebida pelo grande público.

As revistas portuguesas que aglutinaram as novas expressões literárias tiveram duração efêmera:

 

Orpheu (1915);

 

Exílio (1916);

 

Centauro (1916);

 

Portugal futurista (1917);

 

Contemporânea (1922);

 

Athena (1924-25)

 

 

 

Revista Orpheu

 

O termo “orfismo”, na arte, diz respeito à corrente da pintura aplicada à poética relativa a Orfeu, figura da mitologia grega, poeta e músico lendário cuja magia encantava os animais, as plantas e as pedras. Orfeu foi personagem central de poemas teogônicos, relativos à genealogia dos deuses pagãos, e configurou uma corrente da teologia primitiva: o orfismo. Esta religião grega surgiu no século VI a.C., relacionando-se diretamente com a figura mítica de Orfeu, e possuía uma teogonia própria e uma doutrina especial de transmigração das almas, segundo a qual o homem alcança uma felicidade ultraterrena mediante certas práticas e purificações rituais.

Orfeu é um personagem mítico e mitológico da Antigüidade Grega. Aparece com vários rostos e com vários perfis na história e na lenda. Acima de tudo, porém, Orfeu é conhecido como músico por excelência. Tocando lira e cítara, segundo a lenda, ele conseguia aplacar tempestades, encantar as plantas e os animais, os homens e os deuses. Segundo os mitógrafos, graças à magia da música, ele conseguiu obter dos deuses infernais, a liberação de sua mulher Eurídice que havia morrido devido a uma mordedura de serpente. De acordo com a lenda, uma condição tinha sido colocada pelos deuses que consentiram em liberar Eurídice dos Infernos: ele só poderia olhá-la depois que chegasse à luz natural do sol. Na viagem para a terra, assediado pela dúvida, Orfeu voltou-se para trás, para verificar se Eurídice o estava acompanhando. Neste instante, Eurídice desaparece para sempre.

Começa a grande tribulação de Orfeu. Inconsolável, Orfeu termina seus dias “ferido” pelas mulheres da Trácia de quem recusou o amor. Ainda segundo a história mítica, ele teria fundado os mistérios de Elêusis, inspirando certos autores cristãos dos primeiros séculos que viram em Orfeu o vencedor das forças brutais da natureza, representadas em Dionisos, de maneira semelhante à forma como Jesus venceu Satanás. Destaca-se ainda que seu nome e sua figura mítica deram origem a uma abundante e rica literatura esotérica.

Na lenda, Orfeu aparece também como sedutor, em todos os níveis. É o símbolo do lutador que não se deixa vencer pelo mal, sem ser capaz de o destruir. No plano superior, ele representa a busca de um ideal. Mas não consegue escapar das contradições de suas próprias aspirações em direção ao sublime e à banalidade. Ele é o homem que violou o interdito e a proibição e ousou olhar o invisível. Ao escolherem Orfeu – grafado com ‘ph’: Orpheu – para símbolo do grupo, do movimento e da revista, os modernistas portugueses quiseram não apenas ter um patrono lírico na arte, mas um patrono que também é trágico, fragmentado, de múltiplas faces, um ser mitológico que desafiou o invisível e o além.

Por sua vez, no panorama literário, Orpheu, nome mitológico em que radica o termo orfismo, era uma revista trimestral de literatura, destinada a Portugal e ao Brasil e de que veio a lume o primeiro número, em 1915, correspondente a Janeiro, Fevereiro e Março. As 83 páginas da revista, impressa em excelente papel e tipo elegante, abriam por uma introdução de Luís de Montalvor (pseudônimo do poeta português Luís da Silva Ramos), em que se pretendia definir os intuitos da obra.

Montalvor considerava a revista um exílio de temperamentos de arte que a queriam como a um segredo ou tormento, e que a pretensão dos seus fundadores era formar, em grupo ou idéia, um número escolhido de revelações em pensamento ou arte, que sobre este princípio aristocrático tivessem em Orpheu o seu ideal esotérico e bem próprio deles se sentirem e se conhecerem.

 

Revista lançada em 1915, cujos dois únicos números publicados, em Abril e Julho, marcam o início do modernismo em Portugal. Com direcção, no n.° 1, de Fernando Pessoa e do brasileiro Ronald de Carvalho, e, no n.° 2, de Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, o escândalo provocado pela publicação de Orpheu deveu-se, entre outros motivos, à apresentação de práticas de escrita e correntes artísticas vanguardistas (paulismo, interseccionismo, simultaneísmo, futurismo, sensacionismo), embora surjam na revista ainda compaginadas com leituras e práticas simbolistas e decadentistas.
O n.° 1 foi preenchido com a seguinte colaboração: Luís de Montalvor, “Introdução”; Mário de Sá-Carneiro, “Para os Indícios de Oiro” (poemas); Ronald de Carvalho, “Poemas”; Fernando Pessoa, “O Marinheiro” (drama estático); Alfredo Pedro Guisado, “Treze Sonetos”; José de Almada-Negreiros, “Frizos” (prosas); Côrtes-Rodrigues, “Poemas” e Álvaro de Campos, “Opiário” e “Ode Triunfal”.
O número dois recebeu os seguintes autores: Ângelo de Lima, “Poemas Inéditos”; Mário de Sá-Carneiro, “Poemas sem Suporte”; Eduardo Guimarães, “Poemas”, Raul Leal, “Atelier” (novela Vertígica); Violante de Cisneiros, “Poemas”; Álvaro de Campos, “Ode Marítima”; Luís de Montalvor, “Narciso” (Poema); Fernando Pessoa, “Chuva Oblíqua” (poemas interseccionistas); Santa-Rita Pintor, “Quatro Hors de texte duplos”.
Para o projectado número três – cuja publicação esteve prevista para 1916 mas que, por razões financeiras, não foi posto à venda – Orpheu contaria com os seguintes textos: Mário de Sá-Carneiro, “Poemas de Paris”; Albino de Meneses, “Após o Rapto”; Fernando Pessoa, “Gládio” e “Além-Deus” (poemas); Augusto Ferreira Gomes, “Por Esse Crepúsculo a Morte de um Fauno…”; José de Almada-Negreiros, “A Cena do Ódio”; D. Tomás de Almeida, “Olhos”; C. Pacheco, “Para Além doutro Oceano” e Castelo de Morais, “Névoa”. Mais tarde, deste número do Orpheu, chegaram ainda a ser publicados poemas de Fernando Pessoa, assim como algumas notas em Inglês. A revista Orpheu foi considerada por Pessoa “a soma e a síntese de todos os movimentos literários modernos”.

 

O próprio paulismo (termo que deriva do poema que começa «Pauis de roçarem ânsias pela minh’ alma em oiro», atrás aludido) é uma invenção de Pessoa que consiste num refinamento dos processos simbolistas. Como observou Gaspar Simões, «Pauis» ilustra, bem melhor que a poesia saudosista, os caracteres que Pessoa atribuíra a esta num artigo d’ A Águia: o vago, o complexo, o subtil […] O estilo paúlico define-se pela voluntária confusão do subjectivo e do objectivo, pela «associação de ideias desconexas», pelas frases nominais, exclamativas, pelas aberrações da sintaxe («transparente de Foi, oco de ter-se»), pelo vocabulário expressivo de tédio, do vazio da alma, do anseio de «outra coisa», um vago «além» («ouro», «azul», «Mistério», pelo uso de maiúsculas que traduzem a profundidade espiritual de certas palavras («Outros Sinos», «Hora»).

Coelho, Jacinto do Prado, DICIONÁRIO DE LITERATURA (in Modernismo), 3.ª edição, 2.º volume, Porto, Figueirinhas, 1979

De entre os escassos textos do poeta escritos por altura da criação do Paulismo, um, aparecido postumamente, tem para nós significação muito especial.1 Nele, Pessoa postula o carácter de sonho da literatura moderna. A nova literatura é forçosamente arte de sonho, segundo Pessoa, porque o pensamento e a acção, na época moderna, se separaram irremediavelmente. «Na Idade Média e na Renascença, um sonhador, como o Infante D. Henrique, punha o seu sonho em prática. Bastava que com intensidade o sonhasse.» Hoje, 0 pequeno mundo fechado de outrora rebentou. A democracia parcelou o poder em várias partes, a época dos Descobrimentos alargou a nossa visão do mundo, introduzindo o imperialismo. No mundo da realidade, as possibilidades de aventura atrofiaram-se; mesmo as mais audazes expedições ao Pólo e as mais temerárias experiências dos pioneiros do voo já não esbarram com mistérios, mas sempre com factos, já conhecidos da Ciência ou, pelo menos, facilmente integráveis na sua visão das coisas. Por tudo isto, é que a Arte teve de abandonar o mundo exterior, desvendado e vazio, e refugiar-se nos mistérios do mundo interior que tende «…para o sonho crescente, cada vez mais para o sonho».

O poeta destes sonhos deve deixar-se conduzir pelas impressões visuais, mais do que pelo ouvido ou pelo tacto. E o «quadro», a «paisagem», é de sonho, na sua essência, porque é estática, negadora do continuamente dinâmico, que é o mundo exterior. (Quanto mais rápida e turva é a vida moderna, mais lento, quieto e claro é sonho.) Sob o signo do Paulismo e do InterseccionismoPessoa escreve poesias deliberadamente estáticas […]

Só se pode julgar o Simbolismo com justiça, se se reconhecer a sua tripla natureza: «É: 1) uma decadência do romantismo; 2) um movimento de reacção contra o cientismo; 3) um estádio na evolução (ou princípio duma evolução) de uma nova arte.»

Ao escritor moderno restam três caminhos, podendo: 1) «entregar-se ao mundo exterior» e, na peugada de Whitman e Verhaeren, tornar-se no cantor da civilização moderna – papel que Pessoa atribui em primeiro lugar ao seu heterónimo Álvaro de Campos; 2) pôr-se à margem, fechando-se «num sonho todo individual», seguindo o exemplo de Poe, Baudelaire, Rossetti e outros – caminho que Pessoa escolheu nas poesias em inglês agrupadas sob o títuloThe Mad Fiddler; 3) fugir da realidade e refugiar-se no sonho, mas procurando levar consigo o «ruidosomundo» exterior. O último caminho é o que Pessoa considera o mais tipicamente português, determinante da poesia portuguesa já desde Antero de Quental. […]

É pois de notar a mudança de atitude em relação ao Simbolismo, pelo qual Pessoa, nos artigos para «A Águia», mostrara a mais total aversão. O Simbolismo já não lhe parece o canto-de-cisne duma época literária, mas sim um possível começo para qualquer coisa de diferente, de novo. Com isto fica o caminho livre para as teorias paulista como interseccionista. Esta atitude também explica a razão de ambas as doutrinas, apesar da polémica de Pessoacontra uma arte subjectiva, serem afinal prolongamentos da escola simbolista. Para além de ambas as tentativas, paira a convicção de que «o maior poeta da época moderna será o que tiver mais capacidade de sonho». De modo que ambas as «escolas» são tidas desde o princípio como estádios intermédios, como soluções provisórias, como «a transição entre dois estádios da evolução civilizacional», isto é, entre o Romantismo e uma época nova da arte, ainda não claramente definível.

A designação de Paulismo para a «arte de sonho moderna» provém de uma poesia datada de 29-3-1913, que começa com a palavra «pauis». Paulismo significa, pois, poesia de paul ou pântano. O poema apareceu em 1914, no número único da revista «A Renascença», e documenta a primeira vinda a público de Pessoa como poeta português. De Paris, Mário de Sá-Carneiro, de quem Pessoa se tornara recentemente amigo, prodigaliza-lhe um acolhimento entusiasta. Numa carta de 6-5-1913, Sá-Carneiro escreve extasiado: «Quanto aos PAUIS… Eu sinto-os, eu compreendo-os, e acho-os simplesmente uma coisa maravilhosa… É álcool doirado, é chama louca, perfume de ilhas misteriosas o que você pôs nesse excerto admirável, onde abundam as garras…»2 A admiração de Sá-Carneiro e de outros escritores amigos mostra claramente que o programa contido no poema correspondia à expectativa dos autores jovens.

Muito justamente, J. G. Simões chama a atenção para o facto de Pessoa ter aplicado no poema programático «Pauis» aqueles princípios, precisamente, que tinha descrito nos artigos para a revista dos saudosistas, como sendo os característicos da nova poesia portuguesa.3 O vago, a subtileza e a complexidade, qualidades que atribuíra nos artigos aos versos de Pascoaes e de Mário Beirão, transfere-as Pessoa agora, de forma programática, para a sua própria poesia:

IMPRESSÕES DO CREPÚSCULO

 

Pauis de roçarem ânsias pela minh’ alma em ouro…

Dobre longínquo de Outros Sinos… Empalidece o louro

Trigo na cinza do poente… Corre um frio carnal por minh’ alma…

Tão sempre a mesma, a Hora!… Balouçar de cimos de palma!

Silêncio que as folhas fitam em nós… Outono delgado

Oh que mudo grito de ânsia põe garras na Hora!

Que pasmo de mim anseia por outra coisa que o que chora!

Estendo as mãos para além, mas ao estendê-las já vejo

Que não é aquilo que quero aquilo que desejo…

Címbalos de Imperfeição… Ó tão antiguidade

A Hora expulsa de si-Tempo! Onda de recuo que invade

O meu abandonar-se a mim próprio até desfalecer,

E recordar tanto o Eu presente que me sinto esquecer!…

Fluido de auréola, transparente de Foi, oco de ter-se.

O Mistério sabe-me a eu ser outro… Luar sobre o não conter-se…

A sentinela é hirta – a lança que finca no chão

É mais alta do que ela… Para que é tudo isto…. Dia chão…

Trepadeiras de despropósitos lambendo de Hora os Aléns…

Horizontes fechando os olhos ao espaço em que são elos de ferro…

Fanfarras de ópios de silêncios futuros… Longes trens…

Portões vistos longe… através de árvores… tão de ferro!4

No centro do poema que concretiza a concepção de Pessoa da arte de sonho estática, aparece o meio-verso: «Tão sempre a mesma, a Hora!», meio-verso este que caracteriza o tema: o tédio de viver. Expressões do «vago» aparecem com frequência extrema e propositada: Pauis de roçarem ânsias, o soar do dobre longínquo, as folhas que fitam o silêncio da alma e, até o canto da alma se confunde no indefinido das coisas; no estremecimento perante o tédio da hora, o poeta anseia pelo inatingível: «por outra coisa que o que chora.» O impulso para um Além, quanto aos seus próprios fins. o Eu do poeta deixa-se atrair para este redemoinho de coisas vagas e sonhadas, alheando-se de si mesmo até se reduzir a uma simples recordação e cair finalmente no esquecimento. Uma alienação total de si mesmo substitui-se-lhe: « O Mistério sabe-me a eu ser outro…» Esta ânsia indefinida de Ideal e a alienação de si mesmo canalizam-se para a pergunta: «Para que é tudo isto… Dia chão.» O mundo não fornece resposta à ânsia de ideal, fechando-se a qualquer tentativa de escape para além dos limites do mundo de sonho por nós mesmo construído. Imagens desta nossa limitação concluem o poema: primeiro horizontes, depois portões numa indiferença de ferro – impondo barreiras ao poeta e ao seu mundo de sonho, para além das quais ele não consegue escapar.

A «subtileza» também é facilmente detectável. Segundo os artigos de Pessoa para «A Águia», uma sensação simples terá de ser traduzida por uma expressão «que a torne vivida, minuciosa, datalhada […], sem contudo lhe acrescentar elemento que se não encontre na directa sensação inicial».

Isto verifica-se através da utilização de imagens «intensificadoras». A inquietação da alma torna-se mais nítida através da imagem «pauis de roçarem ânsias de minh’ alma em ouro…». A uniformidade deprimente da Hora exterioriza-se no «balouçar de cimos de palma.» O sentimento de insuficiência é caracterizado pelos «címbalos de Imperfeição». A imobilidade do tempo traduz-se na imagem da sentinela hirta que finca a lança no chão. As «trepadeiras de despropósitos» exprimem a ânsia vã de Ideal.

Aliada à subtileza, por vezes quase se não distinguindo dela, encontramos a «complexidade». A complexidade consiste, tal como fora definida nos artigos sobre o Saudosismo, na tradução  «duma impressão ou sensação simples por uma expressão que a complica, acrescentando-lhe um elemento explicativo que, extraído dela, lhe dá um novo sentido». Como exemplo desta complexidade podemos considerar a imagem «alma em ouro»; a emoção da alma ao contemplar o pôr do Sol alia-se à ânsia de Ideal; a palavra «ouro» é utilizada neste seu sentido extremo tanto por Pessoa como por Sá-Carneiro. A já mencionada alienação de si mesmo complica-se por meio da referência a novas qualidades: «fluido, transparente, oco.» Um exemplo de complexidade particularmente arrojado é o da expressão «fanfarras de ópios». Paradoxalmente, as fanfarras anunciam «silêncios futuros»; o ópio associa-se à ideia de silêncio, por isso a aposição de imagens «fanfarras de ópios». E, por fim, encontramos no verso «corre um frio carnal pela minh’ alma», simultaneamente, um exemplo da «materialização do espírito» e «espiritualização da matéria» que Pessoaatribuíra à poesia de Pascoaes. Os «Pauis» arquitectam, igualmente, um reino de sonho completamente subjectivo. Do mundo exterior só chegam ao poema fragmentos, todos eles em relação  estreita com a disposição do poeta: pauis, sinos, trigo, palmas, o azul do céu, luar, portões. Sem valor próprio, aparecem como sinais dum mundo exterior transferido, todo ele na sua totalidade, para o mistério do sonho.

J. G. Simões chamou ao Paulismo um saudosismo intelectualizado. Pascoaes e Mário Beirão tinham sido «vagos» na sua poesia por intuição, porque ser vago correspondia à concepção que tinham da espiritualidade da Natureza;Pessoa, pelo contrário, utiliza o «vago» com propósitos programáticos. J. G. Simões comenta a este respeito: «O elemento intelectual que não comparecia na obra dos saudosistas, todos emoção e instinto, é o traço distintivo do paulismo.»5 Apesar de assim ser, nã<o devemos passar por cima a proximidade em que os «Pauis» também se encontram do Simbolismo […]

Nela [uma carta ao «Diário de Notícias»] Pessoa instruiu os adversários da arte moderna: «O paulismo pertence à corrente cuja primeira manifestação nítida foi o simbolismo […] o paulismo é um enorme progresso sobre todo osimbolismo e o neo-simbolismo de lá-fora.»6

1 – F. P., Páginas de Estética, p. 156 e sgs;

2 – Mário de Sá-Carneiro, Cartas a F. P., Lisboa, 1958, vol. I, p. 116;

3 – J. G. Simões, Vida e Obra de F. P., vol. I, p. 185;

4 – F. P., Obra Poética, p. 108;

5 – J. G. Simões, Vida e Obra de F. P., vol. I, p. 190;

6 – F. P., Páginas Íntimas, p. 126.

 

Lind, Georg Rudolf, «Duas Tentativas para o Aperfeiçoamento do Simbolismo: o Paulismo e o Interseccionismo» in Estudos Sobre Fernando Pessoa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1981

 

Image

 

A Narratologia e o Leitor – As raízes do Romantismo português – Prof. Délio Pereira Lopes

Image

A Narratologia e o Leitor (Raízes do Romantismo de Portugal)

Ao elaborar este trabalho não tinha em mente dar conto da imensidão de estilos e obras de autores renomados em língua portuguesa ou outros idiomas. Tinha sim a missão de citar alguns autores, naquilo em deixaram de legado na composição de um painel da história literária em seus países. Aqui não se encontrará uma tese acadêmica, pois não é nesse sentido que se edifica minha proposta. Que sirva como um guia rápido e referencial àqueles que queiram ter uma breve noção acerca de autores, obras, estilos, repertórios, contextualização concisa e meras referencias didáticas ao domínio da narratologia –  estudo da narrativa como tal, suas formas obrigatórias e as combinações que encontramos na produção de todas narrativas –  nos gêneros escritos em prosa ou verso.  Délio Pereira Lopes

 

 

Almeida Garrett

João batista da Silva Leitão de almeida Garrett nasceu na cidade do Porto, em 1799. (*Aqui não se fará nota às datas de falecimento.) De sua obra, observa-se que suas primeiras poesias denotam características do Arcadismo. Dessa forma, o autor defende a imitação de autores quinhentistas e a perfeição estética clássica. O que se diz aqui pode ser facilmente pinçado nos textos de “Lírica de João Mínimo”.

Seguindo a linha da narrativa de cunho histórico, vimos isso expresso nas obras garrettianas: “Camões” e “Dona Branca”. Assim, na primeira dessas obras citadas vigora mais uma biografia do grande poeta português, expressão maior do Quinhentismo português tendo como tema suas paixões e amor à pátria e “Dona Branca”, que retoma o contexto do século XIII e retrata as últimas lutas da Reconquista.

Os derradeiros textos de Garrett, voltam-se ao amor enquanto tema, erigindo um Garrett tipicamente romântico, conforme constata-se em “Flores sem fruto e Folhas caídas”. Há nesses textos um reflexo das experiências amorosas pessoais do autor, dores e angústias de seu relacionamento com a Viscondessa da Luz.

Almeida Garret surge no território português como o grande consolidador do teatro nacional português, iniciado com grande mérito, pela genialidade de Gil Vicente e seus Autos. Frei Luís de Sousa, ambientado no século XVII, retomando momentos da batalha de Alcácer-Quibir e fomentado na crença e reverência ao mito de D. Sebastião, resvalando numa grande atitude nacionalista. Preocupação essa, esboçada com mais voracidade nas obras: “O arco de Sant’Ana” e “Viagens na minha terra”. Essa última, de 1846, escrita em prosa, de classificação literária incerta, misto de livro de viagem (lembrando o gênero diário de bordo), diário íntimo, novela sentimental, entremeada de digressões filosóficas, políticas, culturais, literárias, etc.. Tudo isso num texto marcado por metalinguagens, linguagem quase oral, tom infernal, inclinando-se ao “cavaquear” (conversar de forma singela).

 

 

A seguir o Capítulo I, de Viagens na minha terra:

 

 

 

 

VIAGENS NA MINHA TERRA
Capítulo I
De como o autor deste erudito livro se resolveu a viajar na sua terra, depois de ter viajado no seu quarto; e como resolveu imortalizar-se escrevendo estas suas viagens. Parte para Santarém. Chega ao terreiro do Paço, embarca no vapor de Vila Nova; e o que aí lhe sucede. A Dedução Cronológica e a Baixa de Lisboa. Lorde Byron e um bom charuto. Travam-se de razões os ilhavos e os Bordas-d’Água: os da calça larga levam a melhor.

   Que viaje à roda do seu quarto quem está à beira dos Alpes, de inverno, em Turim, que é quase tão frio como S. Petersburgo – entende-se. Mas com este clima, com esse ar que Deus nos deu, onde a laranjeira cresce na horta, e o mato é de murta, o próprio Xavier de Maistre, que aqui escrevesse, ao menos ia até o quintal.

Eu muitas vezes, nestas sufocadas noites de estio, viajo até a minha janela para ver uma nesguita de Tejo que está no fim da rua, e me enganar com uns verdes de árvores que ali vegetam sua laboriosa infância nos entulhos do Cais do Sodré. E nunca escrevi estas minhas viagens nem as suas impressões pois tinham muito que ver! Foi sempre ambiciosa a minha pena: pobre e soberba, quer assunto mais largo. Pois hei de dar-lho. Vou nada menos que a Santarém: e protesto que de quanto vir e ouvir, de quanto eu pensar e sentir se há de fazer crônica.

Era uma ideia vaga; mais desejo que tenção, que eu tinha há muito de ir conhecer as ricas várzeas desse Ribatejo, e saudar em seu alto cume a mais histórica e monumental das nossas vilas. Abalam-me as instâncias de um amigo, decidem-me as tonteiras de um jornal, que por mexeriquice quis encabeçar em desígnio político determinado a minha visita.

Pois por isso mesmo vou: pronunciei-me.

São 17 deste mês de julho, ano da graça de 1843, uma Segunda feira, dia sem nota e de boa estreia. Seis horas da manhã a dar em S. Paulo, e eu a caminhar para o Terreiro do Paço. Chego muito a horas, envergonhei os mais madrugadores dos meus companheiros de viagem, que todos se prezam de mais matutinos homens que eu. Já vou quase no fim da praça quando oiço o rodar grave mas pressuroso de uma carroça d’ancien régime: é o nosso chefe e comandante, o capitão da empresa, o Sr. C. da T. que chega em estado.

Também são chegados os outros companheiros; o sino dá o último rebate. Partimos.

Numa regata de vapores o nosso barco não ganhava decerto o prêmio. E se, no andar do progresso, se chegarem a instituir alguns ístmicos ou olímpicos para esse gênero de carreiras – e se para elas houver algum Píndaro ansioso de correr, em estrofes e antiestrofes, atrás do vencedor que vai coroar de seus hinos imortais – não cabe nem um triste minguado epodo a este cansado corredor de Vila Nova. É um barco sério e sisudo que se não mete nessas andanças.

São 17 deste mês de julho, ano da graça de 1843, uma Segunda feira, dia sem nota e de boa estreia. Seis horas da manhã a dar em S. Paulo, e eu a caminhar para o Terreiro do Paço. Chego muito a horas, envergonhei os mais madrugadores dos meus companheiros de viagem, que todos se prezam de mais matutinos homens que eu. Já vou quase no fim da praça quando oiço o rodar grave mas pressuroso de uma carroça d’ancien régime: é o nosso chefe e comandante, o capitão da empresa, o Sr. C. da T. que chega em estado.

Também são chegados os outros companheiros; o sino dá o último rebate. Partimos.

Numa regata de vapores o nosso barco não ganhava decerto o prêmio. E se, no andar do progresso, se chegarem a instituir alguns ístmicos ou olímpicos para esse gênero de carreiras – e se para elas houver algum Píndaro ansioso de correr, em estrofes e antiestrofes, atrás do vencedor que vai coroar de seus hinos imortais – não cabe nem um triste minguado epodo a este cansado corredor de Vila Nova. É um barco sério e sisudo que se não mete nessas andanças.

Assim vamos de todo o nosso vagar contemplando este majestoso e pitoresco anfiteatro de Lisboa oriental, que é, vista de fora, a mais bela e grandiosa parte da cidade, a mais característica, e onde, aqui e ali, algumas raras feições se percebem, ou mais exatamente se adivinham, da nossa velha e boa Lisboa das crônicas. Da Fundição para baixo tudo é prosaico e burguês, chato, vulgar e sensabor com um período da Dedução Cronológica, aqui e ali assoprado numa tentativa ao grandioso do mau gosto, como alguma oitava menos rasteira do Oriente.

Assim o povo, que tem sempre o melhor gosto e mais puro que essa escuma descorada que anda ao de cima das populações, e que se chama a si mesma por excelência a Sociedade, os seus passeios favoritos são a Madre de Deus e o Beato e Xabregas e Marvila e as hortas de Chelas. A um lado a imensa majestade do Tejo em sua maior extensão e poder, que ali mais parece um pequeno mar mediterrâneo; do outro a frescura das hortas e a sombra das árvores, palácios, mosteiros, sítios consagrados a recordações grandes ou queridas. Que outra saída tem Lisboa que se compare em beleza com esta? Tirado Belém, nenhuma. E ainda assim, Belém é mais árido.

Já saudamos Alhandra, a toireira; Vila Franca, a que foi de Xira, e depois da restauração, e depois outra vez de Xira, quando a tal restauração caiu, como a todas as restaurações sempre sucede e há de suceder, em ódio e execração tal que nem uma pobre vila a quis para sobrenome.

A questão não era de restaurar nem de não restaurar, mas de se livrar a gente de um governo de patuscos, que é o mais odioso e engulhoso dos governos possíveis.

É a reflexão com que um dos nossos companheiros de viagem acudiu ao princípio de ponderação que ia involuntariamente fazendo a respeito de Vila Franca.

Mas eu não tenho ódio nenhum a Vila Franca, nem a esse famoso círio que lá foi fazer a monarquia. Era uma coisa que estava na ordem das coisas, e que por força havia de suceder. Este necessário e inevitável reviramento por que vai passando o mundo, há de levar muito tempo, há de ser contrastado por muita reação antes de completar-se…

No entretanto, vamos acender os nossos charutos, e deixe-mos os precintos aristocráticos da ré; à proa, que é país de cigarro livre.

Não me lembra que Lorde Byron celebrasse nunca o prazer de fumar a bordo. É notável o esquecimento no poeta mais embarcadiço, mais marujo que ainda houve, e que até cantou o enjôo, a mais prosaica e nauseante das misérias da vida! Pois num dia destes, sentir na face e nos cabelos a brisa refrigerante que passou por cima da água enquanto se aspiram molemente as narcóticas exalações de um bom cigarro de Havana, é uma das poucas coisas sinceramente boas que há no mundo.

Fumemos!

Aqui está um campino fumando gravemente o seu cigarro de papel, que me vai emprestar lume.

– Dou-lho eu, senhor… – acode cortêsmente outra figura mui diversa, cujas feições, trajo e modos singularmente contrastam com os do moçarabe ribatejano.

Acenderam-se os charutos, e atentamos mais devagar na companhia que estávamos.

Era um efeito notável e interessante o grupo a que nos tínhamos chegado, e destacava pitorescamente do resto dos passageiros, mistura híbrida de trajos e feições descaracterizadas e vulgares – que abunda nos arredores de uma grande cidade marítima e comercial. Não assim este grupo mais separado com que fomos topar. Constava ele de uns doze homens, cinco eram desses famosos atletas da Alhandra, que vão todos os domingos colher o pulverem olympicum na praça de Santana, e que, à voz soberana e irresistível de: unha, à unha, à cernelha!… correm a arcar com mais generosos , não mais possantes, animais que eles, ao som das imensas palmas, e a troco dos raros pintos por que se manifesta o sempre clamoroso e sempre vazio entusiasmo das multidões. Voltavam à sua terra os meus cinco lutadores ainda em trajo de praça, ainda esmurrados e cheios de glória da contenda da véspera. Mas ao pé destes cinco e de altercação com eles – já direi por quê – estavam seis ou sete homens que em tudo pareciam seus antípodas.

Em vez do calção amarelo e da jaqueta de ramagens que caracterizavam o homem do forcado, estes vestiam o amplo saiote grego dos varinos, e o tabardo arrequifado siciliano de pano de varas. O campino, assim como o saloio, tem o cunho da raça africana; estes são da família pelasga: feições regulares e móveis, a forma ágil.

Ora os homens do Norte estavam disputando com os homens do Sul: a questão fora interrompida com a nossa chegada à proa do barco. Mas um dos ílhavos – bela e poética figura de homem – voltando-se para nós, disse naquele seu tom acentuado.

– Ora aqui está quem há de decidir: vejam os senhores. Eles, por agarrar um toiro, cuidam que são mais que ninguém, que não há quem lhes chegue. E os senhores, a serem cá de Lisboa, hão de dizer que sim. Mas nós…

– Nenhum de nós é de Lisboa: só este senhor que aqui vem agora.

Era o C. da T. que chegava.

– Este conheço eu; este é dos nossos (bradou um homem de forcado, assim que o viu). Isto é um fidalgo como se quer. Nunca o vi numa ferra, isso é verdade; mas aqui de Valada a Almerim ninguém corre mais do que ele por sol e chuva, e há de saber o que é um boi de lei, e o que é lidar com gado.

– Pois oiçamos lá a questão.

– Não é questão – tornou o ílhavo – mas se este senhor fidalgo anda por Almeirim, para Almeirim vamos nós, que era uma charneca outro dia, e hoje é um jardim, benza-o Deus! mas não foram os campinos que o fizeram, foi a nossa gente que o sachou e plantou, e o fez o que é, e fez terra das areias da charneca.

– Lá isso é verdade.

– Não, não é! Que está forte habilidade fazer dar trigo aos nateiros do Tejo, que é como quem semeia em manteiga. É uma lavoura que a faz Deus por sua mão, regar e adubar e tudo: e o que Deus não faz, não fazem eles, que nem sabem ter mão nesses mouchões com o plantio das árvores: só lá por cima é que algumas têm metido, e é bem pouco para o rio que é, e as ricas terras que lhes levam as enchentes. Mas nos , pé no barco, pé na terra, tão depressa estamos a sachar o milho na charneca, como vimos por aí abaixo com a vara no peito, e o saveiro a pegar na areia por não haver água… mas sempre labutando pela vida…

– A força é que se fala – tornou o campino para estabelecer a questão em terreno que lhe convinha. – A força é que se fala: um homem do campo que se deita ali à cernelha de um toiro que uma companhia inteira de varinos lhe não pegava, com perdão dos senhores, pelo rabo!…

E reforçou o argumento com uma gargalhada triunfante. que achou eco nos interessados circunstantes que já se tinham apinhado a ouvir os debates.

Os ílhavos ficaram um tanto abatidos; sem perderem a consciência de sua superioridade, mas acanhados pela algazarra.

Parecia a esquerda de um parlamento quando vê sumir-se no burburinho acintoso das turbas ministeriais, as melhores frases e as mais fortes razões dos seus oradores.

Mas o orador ílhavo não era homem de se dar assim por derrotado. Olhou para os seus, como quem os consultava e animava, com um gesto expressivo, e voltando-se a nós, com a direita estendida aos seus antagonistas:

– Então agora como é e força, quero eu saber, e estes senhores que digam, qual é que tem mais força, se é um toiro ou se é o mar.

– Essa agora!…

– Queríamos saber.

– É o mar.

– Pois nós que brigamos com o mar, oito a dez dias a fio numa tormenta, de Aveiro a Lisboa, e estes que brigam uma tarde com um toiro, qual é o que tem mais força?

Os campinos ficaram cabisbaixos; o público imparcial aplaudiu por esta vez a oposição, e o Vouga triunfou do Tejo. […]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alexandre Herculano

 

Alexandre Herculano de Carvalho Araujo

 

Originário de Lisboa, nascido em 1810, de origem humilde, foi quase autodidata, sendo amplamente estimulado pela Marquesa de Alorna, sua protetora, dessa forma inicia sua carreira na literatura e historiografia. (*1).

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (*1)

Mulher escrevendo (Johannes Vermeer).Historiografia (de “historiógrafo”, do grego Ιστοριογράφος, de Ιστορία, “História” e -γράφος, da raiz de γράφειν, “escrever”: “o que escreve, ou descreve, a História[1] ) é uma palavra polissémica. Designa não apenas o registro escrito da História, a memória estabelecida pela própria humanidade através da escrita do seu próprio passado, mas também a ciência da História.

 

 

Como Garret, empenha-se nas lutas liberais e conhece o exílio. Retornando a Portugal, passa pelos Açores, pelo Porto e pela Biblioteca da Ajuda. Publica nessa época “Voz do Profeta”, inspirado em “Paroles d’um Croyant”, de Lamennais. Na direção da revista “O Panorama”, publica “Lendas e Narrativas” e o Bobo. Como membro da Academia de Ciências, organizou a publicação de “Portugallie Monumenta Historica”. Entretanto, desgostoso com os rumos políticos do país, afastou-se da vida pública, retirando-se para sua quinta do Vale de Lobos, onde reduziu a produção literária e se dedicou à vida do campo, ao cultivo de seus olivais. De sua carreira, se diz que foi poeta, romancista, historiador e polemista.

Obras principais:

Poesia: “A Voz do Profeta”, de 1836 e “A Harpa do Crente”, de 1836.

Ficção – Romance e Conto: “Eurico, o Presbítero”, de 1844 e o “O Monge de Cister”, de 1846 (foram obras em forma de romance ou novelas históricas reunidas sob o título de Monasticon = sobre a vida dos monges.). “Lendas e Narrativas”, de  1851, que são narrativas que reconstituem a prosa primitiva, medieval, contida nos Nobiliários, nos Cronicões e nas historiografia das crônicas de Fernão Lopes e Rui de Pina. “A Morte do Lidador”, “A Dama do Pé de Cabra”, “o Bispo Negro” e “Arras por Foro de Espanha” que forma ambientadas na época do domínio árabe, ou durante A Guerra da Reconquista cristã (*2) e períodos posteriores, na Alta e Baixa Idade Média.

 

 

 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. *(2) A Reconquista (também referenciada como Conquista cristã) é a designação historiográfica para o movimento ibérico cristão com início no século VIII que visava à recuperação dos ibéricos cristãos das terras perdidas para os invasores árabes durante a invasão muçulmana da península Ibérica.

 

Romance histórico: “O Bobo”, de 1843, cuja trama se passa na época da formação de Portugal (século XII). Surgindo personagens emblemáticas como Afonso Henriques, Egas Monis, o “bobo-da-corte” Dom Ribas, desempenha importante papel na independência do país.

História: “História de Portugal”, (4 vols., 1846-1853); “História das origens e do estabelecimento da Inquisição em Portugal”(*3). (3 vols., 1854-1859) e “Portugalie Monumenta Historica”, iniciada em 1856, coleção de documentos históricos.

 

 

 

(*3) Inquisição em Portugal

 

(Fonte: Blog História de Portugal – A Inquisição em Portugal, de Postadopor João M. Tomas dos Anjos) – com adaptações.

Os tribunais, destinados originalmente a inquirir os casos de heresia, passaram a averiguar casos de bruxaria, sodomia, pedofolia, zoofilia, bigamia, entre muitos outros. Ao abrigo do papel de inquisidor muitos abusos foram cometidos, de tal modo que a Inquisição foi lentamente desvirtuada, só recuperando o seu crédito no século XVI, com Sisto V passando a ser conhecida por Santo Ofício.

A organização da Inquisição dependeu de cada país. Por exemplo, a Inquisição espanhola fundada em 1478, tinha como característica própria a total dependência ao monarca que, nomeava o inquisidor. No decurso da Inquisição espanhola, até à sua abolição em 1834, foram julgados, com aplicação rigorosa da legislação contra a heresia, cerca de 60 000 casos. Apesar dos abusos documentados verifica-se que o protestantismo não conseguiu exercer a sua influência, bem como o misticismo não se alastrou nesse território.

A partir dos séculos XI e XII, o sentimento religioso atingiu o seu ponto mais alto passando a ser as próprias comunidades cristãs a utilizarem a violência contra as correntes consideradas anticristãs. As primeiras medidas, nomeadamente, confiscação de bens, destinadas à abolição da heresia foram tomadas no Concílio III de Latrão, em 1179. Seguidamente, adoptaram-se outras medidas como a aplicação das leis civis contra os hereges, no concílio de Verona, em 1184. Foi com Gregório IX, em 1231, que se institucionalizou a Inquisição, graças à lei imperial que aprovava a aplicação da pena de morte contra os hereges através do poder civil. Igualmente, se destinava essa tarefa aos Dominicanos, apesar de inicialmente os Franciscanos também terem desempenhado o papel de inquisidores. Vários manuais foram redigidos para o bom desempenho da tarefa, sendo exemplo o Manual Prático do Inquisidor de Bernardo Gui. Inicialmente não era aplicada a tortura, tendo sido Inocêncio IV a introduzi-la em 1252, todavia todo herege deveria ser considerado inimigo do Estado.
Em Portugal, a Inquisição foi introduzida a partir do século XIV, sendo nomeados inquisidores-mor os religiosos “especializados” Frei Martinho Velasques, Frei Vicente de Lisboa e Frei Afonso de Alprão, respectivamente em 1376, 1399 e 1413.
O seu objetivo real estava em conseguir mais uma arma para a , centralização do poder régio e para o controlo por parte da Coroa. Os monarcas portugueses pretendiam também o que os Reis Católicos haviam obtido do papa Sixto IV a partir de 1478, embora as circunstâncias nos dois países se revelassem inteiramente diferentes. Nem judeus nem mouros ameaçavam em Portugal a unidade

 

da fé, como pudera ser invocado em Castela.

Abaixo, Prof.Délio dirigindo debate acerca da obra O Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente aos seus alunos do Primeiro Ano do Ensino Médio “B”, do SESI 426.

.    Image